sexta-feira, 13 de junho de 2014

Exposição de João Paulo de Melo encanta e emociona

                     
DESCRIÇÃO DA OBRA:
João Paulo de Melo
Sem título, 2014
Óleo sobre tela
70cmX100cm

  
Eu era apenas uma criança no agreste nordestino, lá em Pernambuco, peguei uma lâmina de barbear do meu pai, cortei uma madeira e fiz uma escultura, esse foi o meu primeiro contato com a arte e nem imaginava que hoje pudesse estar recebendo o carinho de tantas pessoas prestigiando o meu trabalho, é emocionante.”, diz o artista.


O artista plástico João Paulo de Melo, natural de Jurema, Pernambuco, domiciliado em São Paulo há um pouco mais de dez anos teve, na abertura de sua exposição Invenção Contemporânea do Ser, no sábado, 7 de junho, na rua Pascal, 1127, Campo Belo, SP, próximo ao aeroporto de Congonhas, o reconhecimento merecido das pessoas que compareceram. Foi possível ver no olhar de cada uma o sentimento de emoção com a beleza retratada pelas mãos do artista em cada tela. E muitas delas disseram que estavam diante de um dos maiores artistas plásticos desse século.


No texto de apresentação o curador da exposição, Ivan Lima, foi claro ao escrever: “Muitos irão dizer que o artista plástico João Paulo de Melo tem influências de Picasso e Salvador Dalí, ou seja, do cubismo e do surrealismo. Também irão dizer que o quadro da mulher que segura uma máscara nas mãos, que está na capa do livro “A parteira”, do poeta Adenildo Lima, faz lembrar Abaporu, de Tarsila do Amaral. Estas coincidências são apenas um ato da nossa memória de buscar algo na história para poder explicar o presente. A verdade é: João Paulo de Melo é um artista de múltiplas facetas”.


Sim, João Paulo de Melo, realmente, é um artista de múltiplas facetas e, além de tudo, um jovem de coragem, pois assim como muitos nordestinos que chegam a São Paulo e passam por diversas dificuldades, não foi diferente com ele, trabalhou de auxiliar de limpeza, porteiro, entre outras funções, até o momento que decidiu largar tudo para se dedicar exclusivamente à arte.


João Paulo de Melo é autodidata e, por outro lado, domina a técnica das artes plásticas com maestria. É, sem sombra de dúvida, merecedor dos aplausos e do reconhecimento que vem recebendo na cidade de São Paulo, inclusive com a literatura, ao ter duas de suas obras nas capas do livro A parteira, supracitada, e Varal, da poeta Maria Vilani.


Ao ser perguntado qual foi o primeiro contato que ele teve com a arte, emocionado diz: “Eu era apenas uma criança no agreste nordestino, lá em Pernambuco, peguei uma lâmina de barbear do meu pai, cortei uma madeira e fiz uma escultura, esse foi o meu primeiro contato com a arte e nem imaginava que hoje pudesse estar recebendo o carinho de tantas pessoas prestigiando o meu trabalho, é emocionante. Espero poder, através da arte, despertar nas pessoas a sensibilidade humana nesta invenção do Ser da obra de arte.”

A exposição fica até o dia 19 de julho, aberto ao público das 11h às 16h, de segunda a sábado, conforme convite:


Mais fotos, acesse: INVENÇÃO CONTEMPORÂNEA DO SER


Adenildo Lima

2 comentários:

Luciana Zanon disse...

Hoje, 10 de junho de 2015, tive o prazer de passar pela estação Vila Madalena do Metrô de São Paulo e visualizar a linda exposição das obras de João Paulo de Melo sobre as Aves - por uma estética da natureza.
Fiquei por vários minutos apreciando o nível de detalhe das pinturas e me deliciei na delicadeza dos traços e no retratar magico do feminino e masculino em nuances muito sutis...
Pesquisando via google encontro esse blog fazendo referencia ao artista e me senti impulsionada a deixar o meu reconhecimento aqui.
Adoraria ter uma obra de João Paulo de Melo em minha sala de visitas.
Parabéns pela delicadeza de sua alma expressa em sua obra. Abs, Luciana Zanon (São Caetano do Sul - SP)

Adenildo Lima disse...

Olá, Luciana, boa tarde. Comentei com o artista João Paulo de Melo sobre o seu comentário. Ele ficou muito feliz e pediu para eu te agradecer pelo carinho expresso em suas palavras.

Abraços,

Adenildo.