segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FELIZ 2013

Agradeço a todos e a todas leitores e leitoras que me dão motivo para escrever, postar neste espaço. Espero ter, em alguns momentos de suas vidas,  tê-los feitos sorrir ou chorar, e com um motivo: o amor. Tenho a esperança de em 2013 poder escrever bem mais e poder, também, sempre escrever textos que façam parte da vida de alguns: leitores e leitoras; amigos e amigas.


UM FELIZ 2013 PARA TODOS NÓS.... OBRIGADO!!!!

adenildo lima

sábado, 29 de dezembro de 2012

Assista ao documentário legendado “La Educación Prohibida”

Lançado segunda-feira (13) no YouTube, “La Educación Prohibida” (legendado em Português) é uma produção independente que entrevista cerca de 90 educadores europeus e latino-americanos sobre formas inovadoras de se pensar o espaço e as práticas escolares. Durante quase duas horas e meia, o documentário segue um raciocínio cativante, oferecendo várias reflexões úteis para que professores e alunos se relacionem mais harmoniosa e criativamente. Embora não trabalhe explicitamente o conceito de Educomunicação, o filme tem cenas ficcionais que intercalam as entrevistas e guardam surpresas ligadas ao protagonismo infanto-juvenil.

O link abaixo para assistir ao documentário. Um excelente filme!!!!

http://www.ncep.ufpr.br/novo/?p=1493 


adenildo lima

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Diálogo final

"pai, qual o motivo que todo mundo fica desejando que o próximo ano seja feliz? por acaso o ano é triste, pai"?
"não, filha, é o medo que o ano seja triste, e também uma maneira de confraternizar com o outro'?
" como assim, o ano ser triste"?
"na verdade, sabrina, a tristeza depende de cada um, assim como a alegria. você, por exemplo, é feliz".
"e o que é ser feliz"?
"a felicidade é algo simples, muito simples, é necessário apenas que a gente ame".
"e qual a diferença do ódio e do amor, pai"?
"filha, o ódio destrói aos poucos, primeiro quem odeia, e muitas vezes, o odiado. já o amor constrói  ambas as partes".
"então quer dizer que ser feliz precisa apenas que a gente ame"?
"para quem ama, tudo na vida tem sentido, tem cheiro, tem cor, tem sabor".
"entendi, pai. entendi que o próximo ano será feliz para quem amar e conquistar amores".
"isso mesmo! que todos possam descobrir a essência principal do FELIZ ANO NOVO!!!".

adenildo lima


quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O ato de escrever

Amigo leitor, para escrever, antes de tudo é preciso amar. E muito! O amor é algo indispensável na vida de todos nós; ou deveria ser. A escrita é algo íntimo do autor consigo mesmo. E é também um ato de coragem. Sim, é sabido que muitos escritores escrevem para ganhar dinheiro. E eu digo que feliz do autor que consegue sobreviver com o dinheiro da escrita. E acrescento que é infeliz o autor que escreve apenas pensando em ganhar dinheiro. Pode parecer estranho, mas o amigo leitor com certeza entende o que estas linhas dizem por detrás das palavras. E talvez ele nem seja um autor infeliz. Só que para ser escritor precisa de algo mais: é necessário amar o ato de escrever.

Escrever, amigo leitor - isso é, se eu tiver para este texto que estou escrevendo - um amigo leitor, ou um leitor amigo para lê-lo. Sim, retomo ao que iniciei neste parágrafo. Escrever é uma maneira de poder comunicar-se com o mundo, mesmo que o mundo seja apenas aquele do próprio autor. Quando escrevemos, a nossa alma sente um alívio e um prazer inexplicável que só quem escreve pode senti-lo, pois o segundo a sentir, ou talvez não, é o leitor; isso é quando o escritor tem a sorte de ter um deles.

Mas o que é gostoso da escrita "sem a responsabilidade" de publicar em uma página de jornal, por um determinado valor, é justamente a liberdade de não se prender aos detalhes, já que o único detalhe é escrever um bom texto. E para ser um bom texto não quer dizer que precise das normas determinadas por uma gramática ou por muitos que acreditam ser escritores. Escrever precisa ter alma. Sim, o texto precisa ter alma. E para ter alma é preciso ter essência.

Pois é, amigo leitor e amiga leitora, a escrita é algo assim: queria escrever mais, mas o texto acaba de dizer que já concluiu para este momento.

Carinhosamente,

adenildo lima.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Fonte das Alagoas abraça a imensidão do mar azul

Nunca o vi
Mas já o conhecia
Se é bom ou ruim
Não sei
Sei que é humano
E poeta
Já tinha lido seus textos
E já sabia que ele bebeu da mesma água
Que bebi ao nascer
Água das Alagoas
E agora em lápide
Escrevo seu nome:
Lêdo Ivo.

adenildo lima

sábado, 22 de dezembro de 2012

Filme- "Febre do Rato" (2011) Claudio Assis.

 Fonte:
http://www.youtube.com/watch?v=D6AQXtm08oU


Sinopse e detalhes

Zizo (Irandhir Santos) é um poeta inconformado e anarquista, que banca a publicação de seu tablóide. Em seu mundo próprio, onde o sexo é algo tão corriqueiro quanto fumar maconha, ele conhece Eneida (Nanda Costa). Zizo logo sente um forte desejo por Eneida, mas, apesar de seus constantes pedidos, ela se recusa a ter relações sexuais com ele. Isto transtorna a vida do poeta, que passa a sentir falta de algo que jamais teve.

 Febre do rato é uma expressão típica do Nordeste, que significa estar fora de controle. Metáfora apenas aparente para Zizo, personagem principal de Febre do Rato, o filme. Poeta por vocação, ele dedica a vida à publicação de seu jornaleco, cujo nome é o mesmo do título. O objetivo é expor suas ideias, repletas de propostas anárquicas que valorizam o livre arbítrio das pessoas, sem se prender às amarras morais impostas pela vida civilizada. Quem não conhece o mundo de Zizo pode imaginar que ele esteja com a febre do rato, ou seja, fora de controle. Só que a verdade é justamente o oposto.

Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-202614/

Encontro com Milton Santos


O mundo global visto do lado de cá, documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização sob a perspectiva das periferias. O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual baiano Milton Santos, gravada quatro meses antes de sua morte.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=UJd5YKhR9gE

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O olhar

Os olhares parecem sempre perdidos
No olhar das pessoas que amam.

Um sorriso sem compromisso...
Um abraço sem interesse...

O conviver
Apenas por amar...

As pessoas que amam
Estão sempre abertas

Para ouvir...
Para falar...
Para compartilhar...

Sim
Compartilhar o que de mais humano
Guardamos num olhar

Afinal

As palavras não dizem
O que expressam para mim

O seu olhar...

adenildo lima

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Absinto

Na janela do destino
há uma rua sem tamanho – meu bem.
Aonde espero que a promessa me chegue
como derradeira instância.
Cumpro com o tempo
meus compromissos,
deito na calçada minha alma lavada
das sobras do dia – calos e brios.
Na janela, sem menino,
o vento dobra a esquina,
escolhe em estranhos
o apreço inesperado de receber saudação.
A saudade é um horizonte
espremido na fresta de um olhar
onde guarda, cedo, fotografias
em tons de amarelo.
Na janela, o absinto
la de fora invade o peito
cheio de clausura para despertar
invernos para o amanhã.

Márcio Ahimsa

http://tecerpalavras.blogspot.com.br/2012/12/absinto.html 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Oscar Niemeyer: fazer 100 anos é uma merda!

http://www.youtube.com/watch?v=EAGE3tOgyvk

Nas curvas do tempo

um traço ondulado no ar
um humanismo que deve ser vivido
por muitos em sua simplicidade
as palavras preferem o silêncio
e deixa a grandiosidade em seu nome:
OSCAR NIEMEYER.


adenildo lima