terça-feira, 10 de abril de 2012

Declaração de amor

O tempo passa. E o tempo é tudo o que eu tenho. Olhei pela janela, a neblina deixou meu olhar embaraçado. Quis chorar, as lágrimas acariciaram a minha face. O abraço-amigo, o abraço do amigo, o seu sorriso nos momentos tristes e felizes da minha vida era tão bom para mim, me fazia tão bem. Caminhando, no horário de quase meia-noite, ontem, enquanto vinha da escola que leciono, lembrei de você. Tudo pareceu tão vivo, tão lúcido, tão real em mim a sua presença. E hoje é dia dez. Foi justamente num dia dez que eu nasci, só que no mês de dezembro. E foi justamente, pai, num dia dez de outubro, há quase cinco anos, que o que chamam de morte, nos separou em vida. Diz que o tempo faz a gente escquecer. Maldito tempo, ou bendito; não sei, só sei que ele não é tão forte para vencer o amor: um amor de filho, um amor de amigo. Você me ensinou a ser amigo, pai, a respeitar todas as diferenças existentes neste mundo, inclusive me ensinou que ser humilde é a maior riqueza que alguém pode ter. Com você aprendi que o ódio é um sentimento que destrói primeiro a si, para depois destruir aos outros, por isso, o único sentimento que tenho é o de amar, se serei um dia compreendido, não me interessa; intressa-me apenas que estou fazendo a minha parte. Sonhei com você esses dias, você estava tão real, tão vivo... nas lembranças. E eu lembrei de uma frase que falaste: "Guarde as fotografias, depois somos só lembranças". Tudo isso me conforta. Lembro também quando tu falavas que o estudo pode não ser a saída, mas é um grande começo. E assim estudo, mesmo não suportando o linguajar enfurrado, ou selecionado para a construção de uma frase, porque sei que diamantes são apenas diamantes, por isso prefiro as pedras, pois sei que delas brotam água para saciar a minha sede. Aprendi que precisamos lutar por nossos objetivos. E como luto! E todos que batalhei, conquistei até hoje! São poucos, mas são os que eu almejo. E sinto que o mundo em breve, muito em breve receberá meus livros de poemas, já escritos; e são vários! E se demorar, para quem sonha e acredita, o tempo é apenas uma passagem onde nos faz refletir melhor. Pai, com você aprendi que viver é ter a sensibilidade de ouvir, talvez seja por isso que luto tanto para que o diálogo se faça presente na educação. Acredito que tudo isso me fez entender que flores sem espinhos não são flores.

adenildo lima

Nenhum comentário: