sábado, 24 de setembro de 2011

rua sem saída

batatas e cebolas e cenouras e alfaces fazem a festa da dona de casa que feliz prepara a melhor janta para o almoço dos filhos e os filhos felizes esperam pela comida para dar sentido a vida que distraída passa tão depressa na pressa que regressa no horizonte de um novo amanhecer mas o sol não vem também na grande cidade a natureza é ausente com sua essência tão poética e tão romântica aos olhos dos apaixonados que nadando em sentimento sonham em encontrar um caminho cheio de paz cheio de luz na claridão que reluz nos olhares das mulheres nas esquinas das ruas mais famosas e famosas mesmo são a fama de quem a frequenta

adenildo lima

Nenhum comentário: