terça-feira, 30 de agosto de 2011

CRIOLO grava o videoclipe da música SUBIRUSDOISTIOZIN

video

As duas Marias

Maria Amélia está prestes a dar a luz. A criança em seus remelexos diz que está querendo conhecer o mundo. Amélia corre de um lado para o outro. Pede socorro. Ninguém escuta. Ela está no centro da cidade. Senta-se num banco. Começa a suar, a ficar pálida e com a respiração ofegante. Maria quer dar a luz a uma criança que a nove meses se encontra em seu ventre. Não lembra a face do pai. Maria Augusta, nome escolhido por ela, ainda em seu ventre, e ela, a criança, prestes a nascer, é a pura esperança de Amélia de uma vida melhor. Augusta chuta a barriga de sua mãe, querendo nascer. Maria está mal-vestida. Há dois anos habita as ruas da grande São Paulo, a maior cidade brasileira. Parece que Augusta sente o sofrimento de sua mãe, e chora.

A vida hoje de Amélia é resultado de uma tempestade que levou seu barraco, matando seus familiares. Procurou o Estado, ninguém a ouviu. O único lugar que sobrou foram as ruas da cidade. A madrugada fria, ou o calor ardente. Tentou por alguns meses resistir às drogas. Não conseguiu. Começou a tomar muita bebida alcoólica, depois foi para a maconha e em seguida a cocaína. E foi em um desses momentos, sem lucidez, que surgiu Maria Augusta.

Augusta quer nascer. Amélia deseja a morte. As pessoas passam diante dela, ali, naquela praça, alguns riem, com seus celulares no ouvido, já outros correm tanto que nem a percebe. Ela lembra da vida que um dia teve no interior. Num sítio calmo e cheio de paz. Mas a fome foi mais forte e como um vômito expulsou a família dela de lá. Essas lembranças a fez chorar e muito, até esqueceu um pouco a dor do parto. Mas Augusta queria mesmo era nascer. E Amélia, morrer.

Maria Augusta Nasceu em cima de um papelão que em sua face tinha a Bandeira do Brasil. E em cima daquele mesmo papelão, Amélia chegou a falecer. Ninguém viu, ninguém ouviu. Só depois perceberam que um cachorro uivava ao lado do corpo e ao lado da recém-nascida. E hoje não se sabe como está Maria Augusta. Das duas Marias, resta apenas uma, ou não, não sei.

adenildo lima

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Amor de criança

Pergunta-me uma criança:

- O que é estar apaixonado, Pedro?

Uma criança me fez esta pergunta. E como sempre, nós, adultos, não temos respostas para as crianças. Procuramos milhões, mas não encotramos uma à altura da pergunta delas. E elas percebem.

- Tá tentando me enganar, né?

Fiquei mais uma vez sem respostas. Sim, parece fácil, mas não é. Elas são bem mais inteligentes do que os adultos. Os adultos se acham inteligentes, e isso faz com que ele perca a inteligência que tem. Pensamos que as crianças não entendem se formos falar de sentimentos. A elas é dado o direito de sentir em plena inocência. E como sabemos, o amor é inocente.

- Mas você já se apaixonou?

Respondi que sim. E ela continua sua pergunta. Quer por qualquer motivo saber como é estar apaixonado.

- É estar assim como você está neste momento. Falei.

Neste momento ela ficou sem graça.

- Mas eu tenho apenas 10 anos.

- E daí? respondi.

Ela sorriu. E disse que quando crescesse queria sempre ficar apaixonada. E eu fiquei me perguntando:

- Mas será que é bom estar apaixonado...?

adenildo lima

domingo, 28 de agosto de 2011

elton john & eric clapton & dire straits - sacrifice

Um trio e tanto...

video

Zé Ramalho canta Beatles - While My Guitar Gently Weeps

Depois de cantar Raul Seixas, Luis Gonzaga, Bob Dylan e Jackson do Pandeiro, Zé Ramalho está lançando (segundo algumas informações que encontrei na internet) agora em agosto para setembro o CD, todo gravado em inglês, com músicas dos Beatles. Confiram uma abaixo:

video

Zé Ramalho


video

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Esquizofrenia de uma madrugada de amor

O teu nome já não lembro mais. Lembro apenas o momento em que estivemos juntos. Estávamos embriagados. Sim, eu lembro. Foi numa noite fria, o barzinho estava repleto de gente. Você veio, pediu licença e perguntou se podia sentar. Eu estava sozinha. Eu disse que sim. Você sentou. Começamos a conversar. E mais um gole de uísque, e mais um gole. Olhei para o relógio: 3h. da manhã. Convidaste-me para sair. Eu já nem estava mais em mim. Apenas aceitei. Pegamos um táxi. Fomos para um motel.

No caminho você me beijava freneticamente, acariciava o meu corpo, deixando-me excitada. Não lembro se em algum momento perguntei seu nome. Sei que fiz uma loucura. Sim, foi uma loucura, aceitei teu convite sem te conhecer. O taxista falou o valor. Pagamos e descemos. Você tirou minha roupa com tanta delicadeza. Ali, naquele quarto de motel. Beijasse os meus seios. O meu pescoço. E falava que eu era maravilhosa. Lembro de tanta coisa, mas nem lembro o seu nome. Senti todo o meu corpo sendo acariciado dos pés a cabeça pela ponta suave de sua língua. Entreguei-me a você como nunca tinha me entregado a outro homem. E você me fez sentir o que eu nunca tinha sentido.

Acordei 10h. da manhã. Olhei para o lado da cama, não te vi. Andei todo o quarto, você não estava. Voltei. Sentei em cima da cama e chorei. Abri a minha bolsa, você tinha deixado dinheiro para o táxi. Escreveu que eu era maravilhosa. Disse que já tinha pago a conta. E acrescentou que precisava ir antes que eu acordasse. Chorei bastante. Mulher é sensível, tem a alma doce, e chora com essas coisas. Foi tudo tão rápido. Lembro de tudo o que aconteceu. Só não lembro o nome dele. Nem sei se ele falou e se em algum momento eu perguntei. Só sei que valeu aquela loucura que fiz. Não aconselho ninguém a fazer. Mas ele me completou como mulher. E como gostaria de reencontrá-lo um dia. Ou talvez não. Não sei.


adenildo lima

A lágrima perdida

... E o que foi que eu aprendi em toda esta vida vivida? A chorar, a odiar, a querer, a ser egoísta, a fazer algo bom...? O que foi que eu aprendi enquanto estava contigo, se tão pouco te dei atenção? Hoje, Aline, olho cada detalhe que vivemos. Fico pensando. E você diz: "Vinícius, a vida passa muito breve". Mas você diz isso em meus próprios pensamentos. E eu continuo pensando: "Por que só valorizamos as coisas depois que elas se vão?". Não encontro resposta, fecho-me dentro do quarto, olhando apenas uma breja na janela que me leva ao mundo externo, mas me sinto tão restrito comigo mesmo. É, Aline, vejo você partindo para nunca mais voltar. A vida foi cruel contigo. E você me olha: "Acorda, menino, você não deve se culpar pelo o que não fez e muito menos pelo o que deixou de fazer. Faça agora o que pode". Mas me sinto fraco, Aline. Sim, sinto-me fraco. Eu poderia ter vivido contigo um pouco mais, amado-a um pouco mais... Você se foi muito rápido. Lembra quando eu falei que te amava, e você riu? Ah, eu lembro, acho que você não acreditou. "Sim, acreditei sim, Vinícius", você me responde. Mas qual o motivo que me leva a lamentar, hoje? Você me olha e sorri. Teus lábios são tão lindos, tão impactantes, suaves e doces. É, por que não valorizamos o que temos enquanto estamos juntos? Você me olha e apenas responde: "Amar já é um grande começo". E eu adormeço em minha cama sem perceber que o tempo passa.

adenildo lima

Jorge Ben Jor & Mano Brown - Ponta de Lança Africano

video

sábado, 20 de agosto de 2011

Pela janela dos olhos

Existem sentimentos que não conseguimos explicá-los. Sim, amigo leitor, começo com esta frase, pois estou assim e, aqui, diante da tela do computador sinto que posso desabafar com alguém. Não que eu não tenha amigos para conversar. Sim, tenho! E grandes amigos. Mas no momento preciso escrevê-los. Parece algo bom, e é! Sempre digo que todos os sentimentos de amor são bons.

É que estou apaixonado...

Sim, não sei se realmente estou, mas algo forte me move. Sabe... aqueles momentos em que ficamos vendo a pessoa amada pela janela do trem, do avião, do carro; pela janela dos olhos? Estou assim. Pior que eu sei que é um amor praticamente impossível de eu conviver. Não tenho nada a ver com ela, e nem ela comigo. Só que eu acredito que ela também está gostando de mim. É complicado!!!

Se eu não tivesse tido aquele encontro com ela, hoje nem saberia da existência dela, como não sabia antes. Agora, querendo ou não querendo ela faz parte da minha vida. Inclusive, gostaria tanto que ela lesse este texto. Sim, sei, ela não vai lê. Só sei uma coisa: quando estamos apaixonados voltamos a ser crianças. Fico pensando deitado no colo dela, sentindo o bater pulsante do seu coração, talvez dizendo que me ama. Imagino a todo momento beijando-a, sentindo o sabor doce de seus lábios e apertando o corpo dela ao meu para sentir seu cheiro adentrando minhas narinas. Sim, sei, amigo leitor, talvez isso nunca aconteça, mas como sempre digo:

A ilusão é a única realidade que eu conheço. E assim espero que isso aconteça um dia...

adenildo lima

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Cotidiano - Chico Buarque (original, 1984)

video

Quando se cala...

Quando tudo se cala o silêncio grita em algum lugar. Um grito suave e forte aos ouvidos. Quando tudo se cala é preciso amar. Assim como é preciso amar em tempestades.

adenildo lima

Chico Buarque - Construção

Este é um artista completo...


video

Crianças abandonadas

Há um falatório enorme na mídia, na boca da população sobre crianças abandonadas, sobreviventes nas ruas da grande São Paulo e em muitas cidades do nosso país. Alguns acreditam que a prisão seria o melhor caminho. Mas como? Como o melhor caminho? Sabemos que o nosso Brasil não tem centros socioeducativos capazes de atender para o processo educativo as nossas crianças e adolescentes, conforme estabelece o ECA. Vai prender uma criança? O certo não seria educá-la? Colocá-la no convívio social?

Sabemos que há milhões de opinões contrárias a não-punição, e outras a favor. O que precisamos na verdade não é brigar com as diversidades, e sim, procurar uni-las para encontrar respostas que tenham como objetivo a união da sociedade e o menos sofrimento para as nossas crianças e adolescentes.

Se os profissionais da segurança, da educação, da saúde... ficarem brigando. Tenham certeza: Irá piorar. E muitos políticos serão eleitos com este tema.

adenildo lima

Whitesnake - Love Ain't No Stranger


video

Linkin Park - In The End

video

?: igual ao que senti

Não sei se você já percebeu, mas ultimamente não é possível encontrar em meus textos referência sua. Sabe aquele amor que sempre tive que nunca deste valor? Ele já não existe mais. Você não foi capaz de correspondê-lo. Se fez de inocente, de medrosa e saiu como se os meus sentimentos não tivessem valor. Descobri que eles valem bem mais do que qualquer noite perdida, pensando em você.

Amor é como semente, tentamos plantá-lo em algum lugar, quando ele não encontra terra fértil, morre.


adenildo lima

zeca Baleiro - Telegrama

video

Only Hope - Mandy Moore Legendado BR

video

Corpos presentes e ausentes

Meu amor, estamos cansados com a correria da vida. Por que não um diálogo? Vamos conversar, bater um papo, deixar as coisas ruins de lado e seguir numa boa. Você sabe que não existe apenas um culpado. Tudo o que aconteceu é parte de uma ausência nossa. Você lembra que no começo era tudo tão lindo? A gente saía juntos, passeávamos com aquele sorriso no olhar... só depois de um tempo que tudo foi mudando. Vamos partir do princípio que nós somos culpados, e brigas não vão levar a lugar nenhum. Sabe disso.

Vamos parar, vamos conversar... sem diálogo nada é possível...

adenildo lima

Lenine - Todas elas juntas num só ser

video

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Ai se eu te pego!!! - Michel teló

Rapaziada, neste clipe tem uma mulherada bonita...rs...

video

É preciso...

É preciso amar as crianças, amar os adultos, as mulheres; amar o ser humano. É preciso chorar, é preciso sentir dor, é preciso gritar, é preciso caminhar sempre para o bem; é preciso despertar a sensibilidade humana.

É preciso permitir que as pessoas vivam suas vidas, que a liberdade de cada um não seja privada; é preciso amar um pouco mais, é preciso sorrir, é preciso abraçar; afinal somos crianças carentes de colos e abraços.

É preciso ouvir opinões contrárias às nossas, é preciso dialogá-las, é preciso transformá-las em algo bom para todos, é preciso viver as nossas vidas sem ferir ao outro; é o mínimo que precisamos é ter direito à vida.

É preciso dizer ao amigo, à amiga que a ama, que o ama, mas é preciso criticá-lo, quando necessário. Amigos que apenas elogiam... tenham cuidado!!! É preciso viver um pouco mais, é preciso sonhar.

Sonhar e sonhar e sonhar...

Sonhar sempre, pois os sonhos são alimentos para a alma.

adenildo lima.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Depois de 4 meses o corpo do meu primo Jocelino é encontrado na pedreira em Santos, junto com o corpo do seu companheiro de trabalho

video

Verbo amar

amar se conjuga com a terminação em AR
voar
sonhar
nadar
buscar
pensar

amar

mas amar não é verbo
pelo o que ensinam as gramáticas
verbo é ação do sujeito

pois só o gerúndio
pode conjugá-lo

talvez seja por isso que muitos não gostam deste sujeito
chamado gerúndio

mas é só ele que diz:

estou amando
estou sofrendo
estou vivendo
estou sonhando

gerúndio, não fique triste
mas você é um sujeito que vive bastante
praticando sempre a ação que chamam de verbo

adenildo lima

domingo, 14 de agosto de 2011

Akon e Negra Li

video

Todo amor

Todo amor é uma forma de perigo, não sei explicar, mas é. Alguns são mais perigosos, outros nem tanto. Só acho que estou apaixonado. E o amor é como uma arma apontada para nós. O nosso coração entra em conflito consigo mesmo, os lábios desejam o sabor dos lábios da pessoa amada. O corpo treme, a alma deseja os ensejos mais ardosos e carinhosos.

Todo amor, possivelmente seja uma maneira de preencher algum vazio em nós, não sei qual, mas é. Confesso, amigo leitor, eu quero fugir, mas não consigo. Sinto-me preso, sem saída, sem ação... assim é a paixão. Voltamos a ser criança, esquecemos até da razão.

Por que que o amor tem que ser assim?

adenildo lima

Rihanna e Eminem

video

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Sem cor

Talvez você não entenda o que estou passando agora. Só quem ama de verdade, ou quem já amou, pode entender um pouco deste meu momento. É difícil! Confesso. Você apenas sumiu! Não disse nada. A última vez que conversamos senti uma frieza por sua parte. Sei que ficamos pouco tempo. E a única coisa que eu tive de você foi um beijo. Sim, apenas um beijo. Gostaria que soubesse que esperei tanto tempo por aquele beijo. Fiquei várias noites sonhando acordado. Sonhei passeando sem rumo, sem nenhum destino, brincando, sorrindo, contando estrelas, admirando as borboletas e os pássaros voando. Hoje tudo perdeu a cor, tudo parece sem vida. A única coisa que sei é que te amo!!!

E quando se ama as palavras ficam até meio que desencontradas, quando estamos longe da pessoa amada.

adenildo lima

domingo, 7 de agosto de 2011

A crônica do outro

Amizade é algo bom, sem dúvida! Mas têm amigos que sempre esperam que o outro o procure. Aí é complicado, sabe? Por... parece que todas as amizades precisam sempre ser levantadas pelo o outro?! Será que é apenas o outro que é amigo?

"Nossa, você sumiu, o que anda fazendo da vida que nunca mais entrou em contato comigo...??!!!"

Diante dessas perguntas meio que infinitas, interrogativas e exclamativas fico pensando no motivo que levou aquele amigo ou amiga a não entrar em contato com o outro e ficar esperando um telefonema. Caramba! é difícil, muito difícil. Precisamos ter o mínimo de sensibilidade para saber que também somos amigos. Não é só o outro que é amigo, eu também sou amigo. Pois, qual o motivo que me leva apenas a esperar que o outro entre em contato comigo?

Sim, acrescento ainda mais em primeira pessoa: que amigo é este que não procura saber do outro quando ele some um pouco? E se de repente o outro estiver passando por dificuldades, até sem forças para procurar um amigo? Para mim, amigo não é aquele que elogia o outro, mas sim, aquele que procura fazer com que o outro saiba que o verdadeiro amigo critica, xinga, briga (apesar que não gosto de brigas) sempre com o objetivo de protegê-lo. Esse sim, é amigo.


Eu mesmo sou um amigo chato. Não me perguntem se não estão preparados para ouvir a resposta. Mas deixo claro, tenho a amizade como um dos sentimentos mais forte e sincero. E valorizo muito meus amigos. Inclusive, até para namorar não procuro inimiga.

Gosto de bons relacionamentos...

adenildo lima

Lembranças

Pareceu um sonho o encontro dos nossos lábios.

adenildo lima

Despedida

Não vejo motivos para me sentir superior ou inferior a alguém que também, um dia, viverá o mesmo que eu: a despedida da vida.

adenildo lima

Vivendo duas vezes feliz

Se eu posso amar. Não vejo motivos para guardar dentro de mim um sentimento de ódio. Se sei claramente que quem ama vive a vida bem duas vezes.

adenildo lima

Lapso da mente

Sim. Eu nunca quis entender a vida. Sempre acreditei e acredito que vivê-la é bem melhor.

adenildo lima

sábado, 6 de agosto de 2011

O amor das crianças... é assim como eu o imagino

As crianças amam. Por isso tenho medo de deixar de ser criança. Não que eu tenha a idade de uma criança, mas a minha alma continua tão jovem quanto a inocência de uma criança no berço. Os adultos são pessoas que pensam que sabem tudo. Saber mesmo quem sabem são os inocentes. Não digo inocente no sentido desconhecido da vida. Falo inocente no sentido de amar. Quando amamos com a inocência de uma criança o amor é verdadeiro. Mesmo que muitos digam que não existem amor verdadeiro, pelo menos nunca me atrevi em amar sem sentimento real.

adenildo lima

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Aline

A tarde estava calma, o relógio marcava 3h., eu estava na fila, esperando o ônibus, com um livro de poema nas mãos. Com um vestido longo, um pouco abaixo dos joelhos. Cabelos compridos e meios encaracolados. Séria, parecendo ansiosa, ela veio em direção à fila e ficou próxima a mim.

"Que horas são?" - perguntou. 3h. e 5 minutos, falei. Ela agradeceu e exclamou:
"Nossa! tá tarde".
"Nem tanto", respondi.

E começamos uma conversa. Ela perguntou onde eu trabalhava. Disse que trabalhava como estagiário, bem ali ao lado. E apontei com o dedo. Uma senhora reclamava da demora do ônibus, na mesma fila em que estávamos, só que ela estava na fila preferencial num banco, dentro do terminal (nós estávamos esperando o ônibus no terminal), um casal de adolescentes se beijavam freneticamente. Aline às vezes olhava. Eu também.

O ônibus chegou. O motorista desceu e foi conversar com alguns colegas de trabalho, enquanto os passageiros se acomodavam. O cobrador olhou para mim e para Aline, querendo dizer alguma coisa.  Não se sabe o quê. Acho que ele pensou que éramos namorados. Já estávamos tão próximos, ou, ficou admirando os olhos negros e os lábios vermelhos e suave de Aline.

Aline mesmo sendo uma moça de semblante sério, tinha um sorriso meio que cheio de mistérios, e ao mesmo tempo um sorriso amigável. Eu conversava com ela tentando descobrir o motivo que a levou a puxar conversa comigo. Inclusive, logo no momento em que ela chegou na fila, disse que a minha roupa era bonita, que caía bem em mim.

Fique sem entender, e pensei milhões de coisas...

Dentro do ônibus sentamos um ao lado do outro. E ela falava e falava e falava. Dizia que amava os poemas de Neruda. Pegou o meu livro, era um livro do Vinícius de Moraes, e declamou um poema pra mim ali mesmo, e pediu que eu fizesse o mesmo que ela. Quem disse que fiz? Fiquei morto de vergonha. E não declamei.

O ônibus enchia cada vez mais. Tanta gente que chegava a sufocar. E chegou o lugar de ela descer. Pegou meu caderno e deixou o telefone e o e-mail. Pedindo que eu ligasse mesmo. E enfatizou nas palavras pra eu não deixar de entrar em contato com ela. Em seguida me deu um beijo tão doce, em minha face, lembro até hoje os lábios dela encostando em mim.

Entrei em contato. Liguei na casa dela um mês depois. Ela falou que estava com o filhinho de 2 anos. Que ele estava meio adoentado. Disse que o esposo tinha deixado-a recentemente. Falou algumas coisas que não tinha me falado no dia em que nos conhecemos. Tentei ligar outras vezes, ninguém atendia.

Até que num certo dia eu estava indo de ônibus para um passeio, isso depois de um ano. Me deu vontade de olhar pela janela. E quando olhei a vi caminhando, dobrando a esquina, toda arrumada, possivelmente estivesse indo para o trabalho. E nunca mais a vi.

Acho que até hoje sou apaixonado por Aline. E este nome soa tão bem aos meus ouvidos.

Adenildo Lima

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Amar simplesmente

É preciso amar aos inimigos. Não se vence o mal com o mal. Quando alguém te xinga, não faça o mesmo que ele. Se você ignora uma atitude, por que fazer o mesmo? Precisamos não fazer o que repuguinamos, assim, não seremos piores do que os ruins. Sei que não é para todo mundo o sentimento amar, mas ele existe para todos, mesmo que não saibamos lidar com ele. Por que brigar se podemos dialogar? Por que gritar se podemos ouvir? Por que chorar se podemos consolar? Por que reclamar se podemos fazer algo melhor? A vida é breve, meu amigo, e tudo passa muito breve. Por que orgulho e rancor...? Nada disso vale a pena, o que vale a pena mesmo é amar. Amar simplesmente. E isso basta!

adenildo lima