segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Uma flor

Neste momento gostaria de escrever um texto que falasse de amor, apenas de amor. Mas é tão difícil falar de amor em tempos de guerra. Uma tempestade forte vem adentrando o mundo daquela criança, ainda tão inocente. Mas ela sobe no mais alto do prédio e fica sonhando que nasça flores no chão de concreto. Um senhor passa e diz que é lindo os sonhos das crianças. E sonha em ser criança também.

Uma bala perdida vem e acerta o peito dela. Ela cai lentamente no chão de concreto. E o concreto abala com a queda. Uma mulher vem e se desespera com o encarnado cinza correndo pela calçada. Mas a criança continua sonhando que ali nasça flor. Chorando, a mulher vai embora. A criança continua ali, deitada sobre a calçada.

Alguns dizem que não foi uma bala, foi apenas o sonho de uma criança sonhando que no chão de concreto nascesse uma flor.

E uma flor nasceu no outro lado da rua. E muitos passaram, mas nunca conseguiram enxergá-la.

Ah, uma flor. Logo eu que queria escrever um texto que falasse apenas de amor.

adenildo lima

Nenhum comentário: