sexta-feira, 19 de novembro de 2010

os mistérios do beco

há um beco dentro do beco no próprio beco. há uma criança no beco dentro de um beco no próprio beco. há imagens perdidas, e soltas, e querendo voar, e querendo ganhar asas. há um sonho dentro de um sonho no próprio sonho. um dia eu acordei, lembrei da minha amada, aquela menina que eu tanto amei; acho que ainda amo. aqueles cabelos longos, aquele corpo sensual, aquele olhar; aquela menina, sim, aquela menina. sonhei por várias noites em beijar os lábios dela, e sentir dela o calor do corpo dela junto ao meu..., mas parece que um medo entre nós nunca permitiu. hoje lembro aquelas imagens construídas por mim. lembro também do sorriso da criança do beco. sabe aquela criança... no beco? ela até que tentou uma saída, mas o beco estava dentro do beco no próprico beco, e a avenida estava movimentada demais. e o muro do beco era muito alto, e sem saída. ainda lembro. mas foi complicado aquela menina, aquela paixão não correspondia. uma paixão não correspondida é sempre ruim, e dói bastante. eu queria apenas um beijo, mas acho que ela nunca acreditou que eu realmente gostava dela; aliás, gostava até mais do que gostar. é, era um amor. um amor é sempre difícil de ser interpretado.

agora acabo de lembrar também de um poema solto no beco. ah, aquele beco marca tanto a minha vida, e talvez ele nem exista mais. será? sempre achei aquele beco misterioso. tenho recordações de uma gravata que enforcou um homem que nunca tinha usado uma gravata; e que nunca a usou. nossa! sinceramente nunca consegui interpretar os enigmas daquele beco, mas acredito que os sonhos continuam lá, e alguns até, eu acho, tenham conseguido voo. só que aquela garota que tanto amei... será que ela já casou? nunca mais tive notícias dela. até recebi uma carta, mas não tive coragem de fazer a leitura. acho que até li. mas nada entendi. ela morava, acho que ainda mora, tão perto da minha casa, e sumir assim?! ah, se ela está com outro, tudo bem... também nunca esteve comigo mesmo. será que ela está com esteves? oh, esteves, seja feliz com ela, tudo bem? e boa sorte.

é, já o beco possivelmente não concorde com este texto, ele sempre esteve descrito com letras enormes e outras bem pequenas.

mas amar, para mim, continua sendo a verdadeira inocência no silêncio de alguém caminhando por aí...

adenildo lima

Nenhum comentário: