domingo, 12 de setembro de 2010

reflexos da sociedade

a vida parece que corre por um fio. a cada dia que passa e que se passa o ser, que chamamos de humano, perde ainda mais o seu valor, e a vida cada vez mais fica desprovida de segurança, mesmo com tantos programas de proteção surgindo por aí.

a humanidade a cada segundo vivido perde mais a sensibilidade, parece que estamos nos tornando máquinas, e já somos, ao meu ponto de vista, o que é necessário é não perdermos os ideais. precisamos ter ideais para viver com sentido, para não cairmos em contraste. em cada esquina é possível encontrar um olhar perdido, sem rumo e sem direção. adolescentes sem referências para seguir. temos escolas desprovidas da realidade do aluno, temos professores mal pagos; temos famílias desestruturadas.

a família, sem dúvida, é a referência principal para as crianças, adolescentes e jovens. mas o que nós temos diante da nossa realidade, são crianças com pais ou mães presas, mortos, desempregados... sem um lar, que possamos chamar de residÊncia, onde possa reclinar a cabeça e dormir numa cama sem ser um papelão... sim, um papelão em suas várias interpretações. e isso e tudo isso são um caminho para fazer com que o adolescente entre em conflitos com a lei.

sabemos que as "fundação casa" - antiga FEBEM. ao contrário de educar o adolescente para conviver em sociedade, na maior parte das vezes, age inteiramente ao contrário, os adolescentes voltam piores do que foram.

mas o que não podemos fazer diante de tudo isso é baixar a cabeça.

adenildo lima

2 comentários:

Sam disse...

"Nada poderá deter a inexorável marcha do tempo"

Embora não nos ouçam, nos ignorem... não, baixar a cabeça não creio que seja a melhor opção.

O "grito", ainda que aos 4 ventos é a nossa melhor arma (e branca)!

Beijo Adê

Erica Maria disse...

Ah, que saudade de vir aqui!!

Como é bom ler-te viu?

Um grande bjo no coração!!!