sexta-feira, 4 de junho de 2010

A dócil

- Qual o nome dela?
- Vanessa. Ela tá doidinha por você...
- Quantos anos ela tem?
- 18 aninhos, prestes a fazer 19, na flor da pele, na flor da idade... se você não se envolver com ela, hoje, não vou conseguir acreditar.
- Mas eu nem a conheço.
- E precisa conhecer? É só chegar... chega conversando, e já era...
- Mas você acha mesmo que ela tá afim?
- Com certeza, não tenho dúvida... não deixa passar esta oportunidade, não é todo dia que aparece uma dócil, assim, na nossa frente, com aquele olhar, com aquele sorriso, com queles cabelos soltos e os seios como duas maçãs.


- Oi, tudo bem?
- Tudo.
- Qual o seu nome, mesmo?
- Vanessa. E você é o famoso rapaz de quem tanto falam?
- Eu, famoso?!!! Coitado de mim...
- Ah, mas falam muito bem de você.
- É? Juro que eu não sabia. E você, tá gostando da festa?
- Ah, estou, tá bem divertida, todo mundo brincando, dançando; gosto de festas.
- Festa é sempre bom, né, deixa a gente mais à vontade com a vida.
- E como deixa. E a sua namorada, não veio?
- Namorada?! Não tenho.
- Nossa, mas como pode uma pessoa igual a você sem namorada?
- Ah, mulheres têm muitas, mas é difícil encontrar alguém que possamos ter um relacionamento, sabe...
- Sei, sim, concordo com você. Eu mesma estou namorando, mas ultimamente tá ficando tudo muito chato, ele quer saber onde estou e aonde eu vou, isso invade a nossa privacidade, já estou meio que quase não aguentando mais.
- É, relacionamento é complicado, mas você é tão linda, simpática, com um sorriso atraente, não devia se prender a um namoro se não está gostando, uma garota igual a você, consegue alguém que te mereça muito rápido.
- Será? Às vezes acho que não.
- Ah, acho que tudo vai depender de você.
- Será?


E a conversa entre eles dois continuou, ali, sentados, enquanto lá fora na sala o som rolava e algumas pessoas se divertiam. As mãos aos poucos foram se encostando, e ambos ficando mais e mais envolvidos pelo clima, de vez em quando bebiam aquele licor, que estava ali, ao lado deles, nos pés da cama. Os corpos foram se aproximando, os lábios se tocando, e o sentimento ardente da paixão domou aquele momento.

- Nossa! Nunca aconteceu isso comigo antes, fui consumida por você... por que tudo foi tão rápido...?
- Vanessa, se fosse para explicar o amor, não precisava vivê-lo. Você é maravilhosa!

adenildo lima

Um comentário:

Aline Oliveira disse...

Amei, amei, amei....
rsrsrs!

oi amigo de blog... kkkk
passando para visitar!

grande beijo e excelente fds =)