quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Reticências

... hoje eu acordei querendo tirar suas roupas beijar sua boca sentir seu cheiro ouvir seus suspiros e em cada delírio te apertar mais e mais hoje acordei quebrando as regras tirando da vida todos os pontos vírgulas e travessão só não tirei as reticências elas são legais me dão esperança de te encontrar mais vezes numa esquina qualquer num quarto qualquer num lugar qualquer hoje acordei sentindo sua falta e lembrei daquele dia em que nós nos beijamos nos amamos sentimos nossos cheiros nos abraçamos loucamente entre unhas e dentes aguçando aquele momento e você sussurrava em meu ouvido se entregando mais e mais com uns gemidos sensuais ardentes delirantes gostosos de se ouvir lembro que gozamos sem regras sem compromisso sem motivos de fazer perguntas apenas nos olhamos e descobrimos ali mesmo que estávamos nos amando mas você se foi assim sem dizer nada você partiu como folhas secas que ganham o vento e se vão sem deixar o cheiro o carinho você se foi sem mais e sem menos assim sem pontos sem regras deixando em mim as lembranças de seu olhar e de suas palavras dizendo que a minha voz era muito gostosa aos seus ouvidos você se foi só as reticências ficaram comigo...

adenildo lima

Um comentário:

Sam disse...

Caio Fernando Abreu estava certo quando disse: "há sempre uma ausência que fica"

Esse teu texto me fez refletir, recordar, reviver... querer as horas que passaram paradas no agora. A inércia nada calma do tempo desbotado, visto talvez desbotado... por outros olhos.

E fica mesmo, esse espaço vagamente preenchido de saudade, de algo sem definição.... apenas sabe-se que existe e sente. Já basta!

Abraço meu