terça-feira, 26 de maio de 2009

Lírios e colibri

Agora, neste exato momento me veio a vontade de escrever algo sobre a vida. Sei que é complicado falar da vida, mas eu preciso. Não, necessariamente, a minha vida, mas, a vida.

Pela manhã, dentro daquele ônibus lotado, vindo para o trabalho (estou na empresa agora), vim lendo uma revista "Revista do Braisl - nº 35 - maio/2009". Tem uma parte que fala da vida, e quando falamos da vida, automaticamente falamos da morte; mas que todos saibam que a morte não existe.

Parado diante de mim mesmo, faço uma viagem na minha própria história e vejo que já voei sem asas, mesmo estando aqui pequeno como uma gota de orvalho, com uma semente. Sempre trabalhei, sempre! e sempre consegui tudo o que eu quis até ao dia de hoje - não é muita coisa - mas sei plenamente que só posso erguer os meus braços até onde as minhas mãos podem alcançar, isso, sem precisar de pisar em ninguém para colher aquela flor despindurada no jardim: no jardim da vida, dos sonhos, dos amores perdidos, dos sonhos... dos sonhos.

Lembrei do dia 18 deste mês, foi uma segunda-feira, eu estive diante de, aproximadamente, 400 alunos da rede estadual de ensino da grande São Paulo. Como palestrante, consegui perceber muitas coisas: a educação continua longe da realidade - a culpa não é dos jovens e adolescentes, não! pode acreditar - o olhar de cada um esperando uma resposta para perguntas que ninguém responde diz claramente que o Estado não oferece nada para um aluno que termina o Ensino Médio. E o que fazer diante de um caminho sem começo, sem meio e sem fim?

Sim, o que fazer? como professor, eu sempre procurei trabalhar isso - esse ano não estou lecionando. Naquele dia senti vontade de voltar às salas de aula. Empresa é complicado, mas o salário de professor é complicado ainda mais.

Os jovens precisam de uma luz para seguir quando terminarem o Ensino Médio. Precisam, não vamos ser hipócritas dizendo que a juventude não quer nada.

E o que você ofereceu para eles para falar que a juventade não quer nada?

Parece apenas um texto o que eu escrevi, mas assim como a vida: é apenas um texto. Viver é contemplar os líros e o colibri de cada olhar esquecido em cada esquina.

adenildo lima


Um comentário:

Cris Animal disse...

É... sua reflexão foi uma viagem na sua vida, na vida daqueles que vc encontrou numa sala de aula, ávidos pelo que vc poderia oferecer.
Vidas que se encontram de alguma forma, em algum momento por motivos iguais: fome!

Fome de vida, de realização, de felicidade , de ser e estar inteiro. Fome de amanhã. Fome do hoje.

Linda reflexão.

beijo pra vc