terça-feira, 14 de abril de 2009

Obra de arte andante

Teu corpo despido aflora a minha libido que assumido me entrego aos delírios que o prazer me propõe... Ali, teu corpo, assim, para mim, vestido com a sua própria pele... que o coração acelere e acelera pedindo uma ação vinda pelos toques das mãos. Teu cheiro adentra minha narina e os teus olhos de menina pequenina me olham fixamente com um desejo da mente que altamente me faz excitar e, ao tocar teus seios com a ponta da língua, são momentos eternos que não posso explicar. Mas como é bom poder estar vivo, para assim, enfim, dessa obra de arte viva e andante saborear, amar... amar...
E amar é esquecer que não há definação, apenas ação.
adenildo lima

2 comentários:

G. Borges disse...

Uuuuuuuuii!

Very Good Adê, very good!

:D

o que me vier à real gana disse...

Olá, boa noite!

Mais um blog k vale a pena. Parabéns!