segunda-feira, 9 de março de 2009

fotografia e imagens

as madrugadas. quem não gosta, delas? elas me abraçam, me beijam, e até diz que me amam. e justamente quando abri a janela, observando a aquarela, lembrei de marcela, ela se foi, me deixou, sabia? nem disse pra onde ia. um vento suave me abraçou para falar de amor, mas foi noutra madrugada. o vento era carinhoso, e como criança, joguei-me aos seus braços, e a madrugada me abraçou, me beijou; até lembrei do amor que não se foi, mas triste mesmo foi olhar a aquarela, com fotografia de marcela. ah, e marcela era tantas elas. ela que vinha, que se despia diante de mim, e tão viva me fez contemplar a obra mais perfeita da natureza, tão bela, em corpo e alma, até acreditei que fosse marcela. marcela, quem me dera, ela: tão linda e tão bela. tão simples, quanto este texto: sem letras maiores ou menores. e quando olho a aquarela, não lembro mais de marcela, penso mesmo é em você, e a sua fotografia é viva em minha mente, simplesmente.

adenildo lima

Um comentário:

Cris Animal disse...

Mágicas madrugadas que a gente vive. Entre fotos, lembranças, ventos e recordações.
O que importa? VIVER

beijo
..............Cris Animal