segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

As palavras e seus mistérios

Em cada palavra existe um segredo, milhões de mistérios. Querer desvendá-lo é o mínimo que podemos fazer. "João saiu para passear, encontrou uma garota encostada em um lugar qualquer, olhou dentro dos olhos dela fixamente e disse: você é linda demais!" Nesta pequena frase, ele não disse apenas isso. Ela o agradeceu com sorrisos, seu namorado chegou, abraçaram-se, e se foram.

Eu mesmo, uso as palavras para dizer o que não consigo, o que você não permite que eu fale, aí, escrevo. E ao escrever eu me liberto dos sentimentos: sentimentos bons, sentimentos ruins, às vezes felizes. As palavras são um escudo para mim.

Dois meses depois, João encontra aquela mesma garota, em um lugar qualquer. Ela olha, solta um sorriso meio perdido no além, e disfarça. Ele se aproxima dela e pergunta seu nome. Mariana - ela fala. Mariana? espantado - pergunta João. Sim, Mariana. Prazer: João.

Ao falarem seus nomes, eles deixam de ser apenas um alguém bonito, perdido num lugar qualquer. E, dentro de segundos, ele fala: Ana, Nara, Maria... tantas mulheres numa só. E o seu namorado, onde está, Mariana? - ele pergunta. Não estou mais namorando - Mariana responde.

Você é muito bonita, Mariana. João falou e saiu caminhando. Enquanto caminhava, ela se aproxima dele e pergunta: João, você sabe qual o segredo de uma palavra? Sim, sei, depende de quem fala, e da importância que aquela pessoa tem pra você - João falou.

Eu sei João, que quando você fala que sou bonita, ao mesmo tempo você me chama de uma mulher interessante aos seus olhos, né verdade? Não sei, as palavras são livres, e você interpreta conforme os seus desejos - ele respondeu com risos.

As palavras são muito poderosas, agora mesmo, estou procurando uma palavra para dizer o que me atormenta aqui dentro de mim. É um sentimento forte, e move. Imagino agora, pegando em suas mãos e olhando dentro dos seus olhos. Vejo-me livre das palavras, e abraço o silêncio, e ele fala por mim, e nada mais falamos.

As palavras, muitas vezes não são tão importantes, prefiro o silêncio. Creio que você chegou a acreditar que João e Mariana existem. Posso dizer que sim, pois eles são um pouco de mim, um pouco de você.

E João olha para os olhos de Mariana, e fala: Você me faz lembrar Érica, Ana, Cris, Marcela... mas eu não quero nenhuma delas, todas nesse momento, resume-se em você.

adenildo lima

Nenhum comentário: