sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Cristal

É bom saber que você continua sendo a mesma pessoa. Que a nossa amizade nunca mudou. A sua ausência se deu devido a estudos e tantas coisas mais, mas quando te reencontrei, vi em seus olhos, a mesma menina de sempre, a mesma que muitas vezes dividimos vinhos, e antes do amanhecer, eu a levava para casa. Aquela amizade livre como o tempo das borboletas.

Amizade é algo precioso, um amigo é igual um cristal nas mãos, precisamos cuidar bem, zelar bem. É, estou feliz, numa esquina qualquer nós nos encontramos e parece que sempre estivemos juntos, e sempre estivemos. Agora telefone toca, o coração abraça o som, e a harmonia é tão suave.

adenildo lima

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Nós e o mundo

Amor, fica ao meu lado, abraça o meu corpo, deixa o tempo lá fora. O mundo é muito grande e pode me tirar de você, ou você de mim. Abraça-me, beija-me! pela janela o sol nos aquece. E o nosso dia será realmente um bom dia!!!

adenildo lima

A pílula da juventude

Neste momento me veio um sentimento de revolta. Se isso é bom, eu não sei.

E para dar continuidade a este texto, faço uma pergunta: que mundo é este?

O egocentrismo e o individualismo das pessoas é muito grande, maior do que o próprio ,e bem mais longo do que o caminho por onde anda. Enquanto um cidadão, dito humano e democrático, ganha 1 milhão por hora, o cidadão comum luta para ganhar dez reais para saciar a fome de uma criança que não pode mamar mais, pois o sangue desnutrido daquela mãe já não fabrica mais o leite materno.

Eu sei que sou mais um sonhador neste mundo, mas quero que saiba que acredito muito em mim. Já derrubei barreiras, já enfrentei vendavais e, aqui estou conversando com você. Ao contrário, não estaria aqui.

Falo isso apenas para dizer que cada um faz e luta pelo o que acredita. Eu acredito que as pedras minam água, mesmo em cima de uma rua de concreto. Eu acredito que a flor que é tão romântica aos olhos da humanidade, também tem espinhos, e eu sei que os espinhos são o equilíbrio do amor. E quem duvida disso?

A juventude tomou a pílula que cura a dor, a pílula do silêncio! e assim, estamos sendo assassinados aos poucos, com uma dor calma e silenciosa.

Que sejam louvados nossos políticos, pois no lugar de reeducar e educar a sociedade, constrói uma escola. Legal1 isso gera voto, é visível!!!

Mas não sequem as lágrimas das pedras, preserve a fonte. Há mais de 20 anos, Renato Russo já perguntava: Que país é este???!!!!

adenildo lima

Sonhos e prazeres

O ser humano só busca uma coisa na vida: poder.

Desculpa, não era o que eu queria, e você muito menos, eu acredito. Foi bom enquanto estivemos juntos, naquele momento, nós nos entregamos loucamente, lembra? e aquilo que vivemos não era carnaval, era carne encarnada carmem. Mas você nem se chama assim, mas carrego aquele momento como lembranças eternas dentro de mim.

Desculpa, mas nós não perdemos nada, a vida é cada segundo vivido, respeitado, compreendido e cumprido, e a nossa missão se mistura com os prazeres mais doce da vida. Naquele momento buscávamos o poder de ter um ao outro.

É, Isaac, é difícil para Carmem, mas ela te entenderá.

E eu sei que as pedras não falam, mas minam água.

adenildo lima

Corpos andantes

Diante de tantas notícias manipuladas pela grande mídia brasileira, a única coisa que me resta é os blogs, isso, de pessoas sérias, sem vínculo partidário, sem vínculo comercial.

Não dá para abrir um jornal pela manhã, se eu fizer isso, passarei todo o dia vomitando as mentiras e façanhas deixadas ali em escritos. A cada dia que passa o poder capitalista apodrece mais os corpos andantes que chamamos de humanos.

Você assiste um Jornal Nacional? parabens! nem só de verdades vivem os homens. Eu te compreendo, você precisa enganar esta vida precária vivida, até mesmo com as novelas onde o negro sempre fica na cozinha e, algumas vezes, quando alcança um cargo alto na telenovela, posso dizer assim: um político, termina como bandido.

Eu entendo, a elite sempre terá o seu poder. E nós, meros bonecos, controlados por ela deixamos isso acontecer livremente.

É bem mais fácil soltar uma pedra ladeira abaixo a ser um SER pensante.

adenildo lima

Diante dos olhos do mundo

Enquanto as borboletas voam livremente nos mais altos dos céus, algum pássaro da liberdade civilizada faz planos para impedir que elas sejam livres assim.

Em cada esquina que andamos, em cada olhar que nos deparamos estamos sendo observados. Somos meros produtos do mundo moderno: você não é artista, mas está sempre sendo filmado; não é bandido, mas está sempre sendo perseguido.

A vida nesta luta árdua que enfrentamos a cada dia, parece uma selva de leões famintos para nos devorar. Lindo mesmo é o corpo de uma mulher retratada na arte de um artista. É perfeita. Ao artista é cabível dar vidas aos mortos e fazer ter sensibilidade aos olhos humanos, até a alguns meros produtos de mercado.

E, enquanto caminhamos livremente com esta vontade de liberdade na mente, é possível perceber que a vida é algo sem sentido, a única coisa que dar sentido a ela, posso dizer, sem medo: é a morte. Alguém já imaginou eterno: qual sentido teria saber que nunca iria morrer?

Mas os beija-flores deixam seu encanto em cada rosa ao fazer arco-íris, dançando a dança da vida, a dança de quem ainda não voltou.

Mas eu continuo te amando bem mais, por saber que nossos dias estão contados!

adenildo lima

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

O dia de ontem

Ontem me senti cansado, ao chegar meia-noite. Depois de um dia de trabalho, olhei o meu diário de poemas, e tinha, ontem mesmo, composto 20 poemas. Isso ainda não tinha acontecido antes. As palavras são minhas grandes companheiras em todos os momentos. E eu me desgasto devido aos temas que trabalho: a esperança de um poema feliz em cima do planeta terra.

adenildo lima

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Ritual

No apartamento, só eu e você, lembra? Tomamos vinhos, nos abraçamos loucamente. Nossos corpos deixavam de ser dois, e aos poucos se transformavam em um. Quando te vi vestida de jambo, fui ao delírio. Nossos corpos molhados e secados por nossas línguas; aquilo fazia parte do nosso ritual. Você dizia que me amava, e na verdade sim, o amor não se encontra no passado e muito menos no futuro, ele está presente, e vivido no momento. E nós nos saboreamos aqueles minutos, eternos minutos. Ter-te aos meus braços como morta, o desmaio fazia parte do nosso ritual.

adenildo lima

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Encontros

Encontros com pessoas que amamos, eu gosto muito, adoro ficar ao lado de pessoas queridas, conversando, tomando uma breja, um vinho, tocando um violão, a vida se mostra tão saborosa.

São momentos únicos que se tornam eternos. Histórias vêm, histórias vão, gargalhadas daqui, gargalhadas dali, e a felicidade nos contempla. E até parece um cenário poético. Um sorriso da jovem menina, uma piada dali, um olhar de cuidado daqui. Lembranças se revivendo e fazendo parte do presente.

Pena que as horas passam, e aquele momento se conclui. O primeiro abraço de despedida é pouco, o segundo, ainda mais, já o terceiro deixa um vazio "eu queria ficar um pouco mais contigo". E um beijo na face contempla aquele amor, aquele carinho.... "você podia ficar um pouco mais"... e um pouco mais parece que não permite que fiquemos.

Mas o tempo é nosso amigo: sem começo, sem fim, sem meio... e o próprio tempo sabe que é resistente, mas se rende ao amor. Um olhar se vai... registros na mente ficam para sempre.

E dizem que um dia tem 24h. Mentira! um dia tem a quantidade de horas que amamos.

adenildo lima

Nauseando 2

Têm momentos da nossa vida que nos deixam pensando. Momentos, muitas vezes, que nunca mais serão vividos; assim: se foi.... Vou confessar o que aconteceu comigo hoje, poderia ser algo simples, mas naquela hora não foi.

Eu estava dentro do ônibus, enquanto ele parou num ponto qualquer, uma jovem garota veio correndo, com um caderno na mão, com os cabelos soltos, um sorriso infinito. Eu declaro abertamente que não queria ficar paralisado, mas fiquei, fiquei estatuado olhando pra ela. Podia ser uma menina qualquer, mas me chamou atenção. Pior, o que eu vou descrever não é nada poético, é filosofia mesmo, e filosofia, como diz meu irmão, é loucura!

Ela entrou no ônibus com aquele jeito de apressada; pior, ficou ao meu lado. Ela percebeu que eu a observava. Ela é linda demais!!! pode até não ter nada de conteúdo humano, mas a matéria... Ao lado dela, fiquei pensando: daqui a pouco ela me xinga, mas não aconteceu isso, ela começou a arrumar os cabelos, a ficar meio que, nossa! estou sendo observada.

Mas eu não esperava isso dela. Ela sentou (eu estava em pé), abriu o caderno, tentei olhar o que tinha no caderno dela; perdão, leitor, eu queria saber um pouquinho só quem era ela. Não consegui ver nada. Num determinado momento, ela olhou para trás, e era pra mim, quando ela percebeu que eu estava observando-a, ficou sem graça.

Mas em meu pensamento veio uma loucura (e é isso que não chamo de poesia). Pensei: se ela em dez anos tiver filhos, essa barriga estará inteiramente diferente, os seios também, essa beleza física, talvez nem exista mais. Isso me incomodou, até mesmo porque não vivo futuro, mas não posso impedir meus pensamentos.

Ela saltou no terminal, eu também. Ela me olhou fixamente dentro dos olhos, observou o meu diário, o meu livro, e saiu caminhando. Confesso, ela gostou de mim! linda, linda, linda! acho que nunca mais a verei, e se eu vê-la, talvez não tenha a mesma importância que hoje. Mas aquele olhar eu vou guardar.

E esse amor platônico, eu a terei sempre que lembrar. Mas amanhã, já nem lembro mais, eu gosto mesmo é de sentir a pele salgada e doce e suave da mulher. A mulher que passa, passa...

Adenildo Lima

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Terra, mundo e mar

Viver, conviver, sobreviver neste mundo pós-moderno, muitas vezes se torna uma tarefa difícil. A correria louca à busca daquilo que nem sabemos o quê, deixa-nos atormentados. Lembro que, em um determinado tempo, sonhava em ganhar uma quantia xis, quando estive diante dessa quantia, já era pouco demais. O mesmo dinheiro de ontem tem uma diferença muito grande do mesmo dinheiro de hoje.

Em muitos lugares do nosso país, a paz é solteira, assim, como uma bela menina solta no parque. Alguém já imaginou uma cena assim: uma bela garota vindo em sua direção com os braços abertos, ali, solta no parque, longe de tudo, de todo o mundo corroído por tantos barulhos.... algum homem já imaginou? alguma mulher já pensou diante de uma cena assim, vindo em sua direção um alguém que ela admira? É assim, a liberdade em muitos lugares do nosso planeta Terra.

Muitas vezes, penso num mundo mais humano, mas é tão difícil, até dentro de suas próprias casas, muitas famílias não conseguem isso, imaginem um mundo! E o pior, existem milhões de munodos. Você já parou para pensar nisso? exitem milhões de mundos. O seu mundo é inteiramente diferente do mundo dos demais, o seu olhar não enxerga a mesma coisa que o outro.

Por isso, procuro sempre, fazer com que o meu mundo seja simples e humilde, e que nele, muitas pessoas possam se sentir à vontade, e quem sabe, até, desfrutar e colher um pouco.

Pode ser pouco o que uma pessoa faz, mas, os maiores acontecimentos do mundo, partiram da ideia louca de uma pessoa.

adenildo lima

A conquista

Se formos fazer uma pesquisa da palavra "quisto", encontraremos várias definições, mas uma delas será: procurar. Partindo daí, posso dizer que conquistar é conseguir aquilo que procuramos, que buscamos. Com crença, com amor, com carinho... chegaremos a uma .... com ... quista.

Quando conquistamos uma amizade, nós começamos a fazer parte da outra pessoa. Se ela não se encontra bem, também não nos encontramos. E chegamos até a tê-la como um cristal precioso em nossas mãos: temos cuidado, carinho, nos preocupamos... é um presente precioso.

Um dia, um aluno/a perguntou se de uma amizade pode surgir um grande amor, o amor envolvido pelo sentimento de paixão, a pergunta se relacionava a isso. Eu, como professor, antes de responder, precisava ter uma resposta com uma boa síntese, e disse: se um namoro é o relacionamento de duas pessoas que se amam, a veia amigável é o que suporta as tempestades. E a sala conseguiu compreender.

E acrescentei: mas entre homem e mulher, ou vice versa, pode haver amizade sim.

E a nossa vida é uma grande conquista, estamos sempre procurando alguma coisa, estamos sempre abraçando o vento e beijando o tempo e sentido o ar em movimento.

adenildo lima

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

convite!!!!

Olá, leitores e leitoras deste blog, e todos os blogueiros que residem em SP. Eu e a cris, que posta como cris animal, estamos propondo umas ideias de organizar essa galera que escrevem tanto nestes blogs, um encontro entre nós. Vamos marcar um dia? No momento, tenho uma proposta: no dia 8 de março temos no Sesc Interlagos Paralamas do Sucesso, podemos ir pela manhã, tocar violão, conversar e... deixar o tempo passar... quem gostou da ideia?... deixo também o meu e-mail em aberto: adenildolima@gmail.com
boa semana a todos!!!!
adenildo lima

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Momentos e momentos

Existem momentos em nossas vidas que mexem muito, muito mesmo. Acredito que você também já passou por isso, em situação diferente.

Quem já fez um convite a uma pessoa e nunca recebeu aquela resposta? pior, você tinha algo muito sério para conversar com ela. Até resumo em egoísmo(rs): algo que, você precisava desabafar, perguntar, chorar, se culpar... ouvir alguma coisa daquela pessoa, já que noutras, nunca se identificou para falar.

Acabo dizendo que, em muitos casos, somos escravos de determinadas situações. Mas tem algo na vida que não conseguimos explicar, por exemplo: perder alguém amado, não há uma explicação, olhar o sol e alcançá-lo com aquele olhar infinito voando indo de encontro a eternidade. Isso não tem explicação.

E, ao chegar no final deste texto, fico me perguntando: e se isso um dia acontecer comigo...?

adenildo lima

A voz do mundo

"Lá no interior o mundo fala". Esta frase mexeu comigo, ao receber o e-mail, fiquei me perguntando: lá no interior o mundo fala? fala como? e, aos poucos, descobri que esta frase resume o que eu falo: a loucura do ser humano da cidade grande com a calma do vivente do interior. Mas quem é o mundo?

Acredito que seja a natureza, a essência capitada em cada cantar dos pássaros, em cada barulho da água caindo da cachoeira... isso me remete ao humanismo, confesso. Então, partindo deste pressusto, acredito que realmente esta frase é um resumo da minha idiossincrasia de vida.

Na cidade grande não é o mundo que fala, são as máquinas, a correria desesperada... isso não é o mundo, é um contraverso do mundo que eu e aquela pessoa que me escreveu acreditamos. Quem já parou para ouvir o barulho do mundo, para observar as estrelas...?

É, existem frases que nos fala bem mais do que um livro.

adenildo lima

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Escravidão modernizada

No Brasil, parece que a escravidão acabou, assim, como a ditatura. Os tempos passam, muitas coisas se modernizam, a tecnologia ajuda.

Como podemos chamar o fato de uma mãe negra (vou falar negra) deixar seu filho em casa sem o leite materno, sem o carinho de mãe... para cuidar dos filhos dos brancos, lá, em seus belos castelos?

Como podemos chamar isso?

Eu, sinceramente, não sei. Só sei que a ditadura também não acabou. Fiquei sabendo, poucos dias atrás, que o governador de SP, entrou na justiça para tirar um blog do ar, e conseguiu. Por quê? porque o blog falava o que a imprensa dele não fala: a Veja, a Globo em geral. E a liberdade de expressão, assegurada pela Constituição Federativa do Brasil de 1988, fica onde?

Você conhece a Constituição brasileira? Se você conhecer, e se for, uma pessoa consciente, tenho certeza: você tem vergonha. Não sei se você vai concordar comigo, mas ela é um belo livro de ficção escrita em códigos.

A escravidão de hoje é moderna, não sei se você, amigo leitor, fica feliz com isso. Também não sei se ficamos felizes ao saber que a ditadura de hoje, também é moderna: bem silenciosa. Te mata aos poucos.

Mas é isso aí, precisamos apenas fazer a nossa parte. Mudar o mundo, tenho certeza que não vou conseguir, o mundo é muito grande, mas mudar o mundo em que vivo, isso eu posso fazer. E muitos mundos poderão mudar juntos.

adenildo lima

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A máquina e o vento

Ela acorda, arruma-se. Calça seus saltos altos, engoma os cabelos e, se modela ao estilo padrão da roupa social trajada em seu corpo. Com um olhar sério, escondido por detrás dos óculos. É séria, firme no que fala, é Senhora, é doutora... às vezes esquece até que é mulher e, ao caminhar parece uma máquina maquinada pelos códigos, não sei se verbais, ou constitucionais. Mas ela é firme diante do brilho do sol e, sem perceber, a noite se aproxima.

Chega em casa exausta, cansada, joga aquela máscara para longe de seu corpo. E dentro de si, sente algo batendo, e ela chama de coração. Deita em sua cama, sozinha, abraça o travesseiro, e chora. Ali, só ela e o travesseiro. E o simples travesseiro traz de volta aquilo que é sagrado em uma mulher: a alma feminina. E naquele momento ela lembra de mim. Sente minhas mãos acariciando seus cabelos, beijando seu pescoço... dorme.

E aquele sonho nos transporta em direçao ao vento. Mas é preciso aproveitar pois, as borboletas só vivem 24h.

adenildo lima

As palavras e seus mistérios

Em cada palavra existe um segredo, milhões de mistérios. Querer desvendá-lo é o mínimo que podemos fazer. "João saiu para passear, encontrou uma garota encostada em um lugar qualquer, olhou dentro dos olhos dela fixamente e disse: você é linda demais!" Nesta pequena frase, ele não disse apenas isso. Ela o agradeceu com sorrisos, seu namorado chegou, abraçaram-se, e se foram.

Eu mesmo, uso as palavras para dizer o que não consigo, o que você não permite que eu fale, aí, escrevo. E ao escrever eu me liberto dos sentimentos: sentimentos bons, sentimentos ruins, às vezes felizes. As palavras são um escudo para mim.

Dois meses depois, João encontra aquela mesma garota, em um lugar qualquer. Ela olha, solta um sorriso meio perdido no além, e disfarça. Ele se aproxima dela e pergunta seu nome. Mariana - ela fala. Mariana? espantado - pergunta João. Sim, Mariana. Prazer: João.

Ao falarem seus nomes, eles deixam de ser apenas um alguém bonito, perdido num lugar qualquer. E, dentro de segundos, ele fala: Ana, Nara, Maria... tantas mulheres numa só. E o seu namorado, onde está, Mariana? - ele pergunta. Não estou mais namorando - Mariana responde.

Você é muito bonita, Mariana. João falou e saiu caminhando. Enquanto caminhava, ela se aproxima dele e pergunta: João, você sabe qual o segredo de uma palavra? Sim, sei, depende de quem fala, e da importância que aquela pessoa tem pra você - João falou.

Eu sei João, que quando você fala que sou bonita, ao mesmo tempo você me chama de uma mulher interessante aos seus olhos, né verdade? Não sei, as palavras são livres, e você interpreta conforme os seus desejos - ele respondeu com risos.

As palavras são muito poderosas, agora mesmo, estou procurando uma palavra para dizer o que me atormenta aqui dentro de mim. É um sentimento forte, e move. Imagino agora, pegando em suas mãos e olhando dentro dos seus olhos. Vejo-me livre das palavras, e abraço o silêncio, e ele fala por mim, e nada mais falamos.

As palavras, muitas vezes não são tão importantes, prefiro o silêncio. Creio que você chegou a acreditar que João e Mariana existem. Posso dizer que sim, pois eles são um pouco de mim, um pouco de você.

E João olha para os olhos de Mariana, e fala: Você me faz lembrar Érica, Ana, Cris, Marcela... mas eu não quero nenhuma delas, todas nesse momento, resume-se em você.

adenildo lima

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Sementes e flores

5h da manhã, estava aquele jovem rapaz sentado na calçada. Olhava para um lado, olhava para o outro. Parece que nada ele via. Mostrava ansiedade, seus olhos mostravam uma determinada pertubação. Fui até ele, perguntei seu nome. disse: Vinícius. Prazer: Pedro. Conversamos um pouco, perguntei o que fazia ali, ele disse que na verdade nem se encontrava ali, estava bem longe, muito longe do que eu pudesse imaginar.

No começo do nosso diálogo, fiquei meio confuso, sem entender. Ele estava sentado em plena calçada, numa manhã de 2ª feira, na frente de um prédio abandonado. Mas continuei conversando com ele, e suas palavras eram tão fortes: "O homem é igual uma calçada, um prédio abandonado, uma criança sem mãe; o homem é um olhar perdido no meio da imensidão".

Confesso que suas palavras mexeram comigo. Perguntei o que ele fazia da vida. Disse apenas que colhia orvalho, que abraçava o vento, e gostava do frio da madrugada. "Na solidão e na tristeza o ser humano tem mais essência". Como assim? eu perguntei. Ele respondeu que, quem não sabe interpretar palavras tão simples iguais a essas, ainda não nasceu.

Difícil dialogar com aquele rapaz. Muito inteligente. Antes, imaginei em levar um carinho pra ele, um apoio humano, mas no final descobri que aprendi bem mais com ele, do que mesmo ele comigo. Aquela figura, antes, mostrava ser um poeta morto, mas de um poeta até de uma folha seca brota semente.

adenildo lima

Isso eu chamo de amor

No meio de bilhões de palavras que tem a nossa língua portuguesa, a que eu mais gosto de ouvir, é a palavra amor. Não pelo simples fatos de dizer um eu te amo, o amor é tudo na minha vida. Isso não, o que me move, é o sentimento que ele me traz.

Hoje mesmo, senti falta de você, passeando no parque, veio-me um desejo de tê-la comigo, ali, brincando, rindo, passeando de bike... e tantas coisas mais. E até mesmo os milhares de rostos das mulheres passantes não foi o suficiente para preencher o vazio que você deixou. E isso, eu chamo de amor.

O amor é simples, muito simples, ele não pede muito, pede apenas a sua presença, o seu carinho pois, na verdade, ele também é um vazio que sempre procura algo para preenchê-lo. Muitas vezes, um sorriso é o suficiente para trazer aquela felicidade deixada na esquina de um olhar perdido.

Mas no amor nada se perde, e tudo o que fazemos é amor: gostar de sair com familiares, amigos... isso é amor. E ele não exige nada da outra pessoa, apenas que seja correspondido. Pois, então, quando lembrei de você, eu lembrei também que nunca te esqueci, e só assim, consigo tê-la comigo.

Você foge, você abraça o sol que nasce, mas teme ao meu abraço, você beija as estrelas em noite de luar, mas não permite seus lábios nos meus, e eles estão tão próximos.

Mas, o que eu quero dizer mesmo: foi que hoje lembrei de você.

E isso chamo de amor.

adenildo lima

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Um encontro e uma decisão

Era uma biblioteca, enorme, milhares de livros. Kalina chega, olha para Victor, o seu namorado:
- Tudo bem?
- Sim.
- Faz tempo que está aí?
- Sim. 40 min.
- Decidiu alguma coisa?
- Não tenho o que decidir.
Kalina olhou dentro dos olhos dele, ela sabia que ele a amava. Os dois, eram um casal de namorados felizes: iam ao teatro, ao cinema, aos bares com música ao vivo, aos parques, zoológicos... e brincavam como duas crianças descobrindo a felicidade.
- Você não vai me perdoar, Victor?
- Por que eu te perdoaria? não tenho nada contra você. Você sempre foi livre, nunca te proibi a nada, antes de qualquer situação, parávamos, conversávamos e chegávamos numa conclusão. O motivo de ter feito isso, não sei.
- Mas eu estou arrependida, juro! foi uma loucura... eu não queria fazer aquilo, fui tentada a fazer. Me perdoa.
- Eu não tenho o que perdoar, você não cometeu nenhum crime, eu apenas não posso mais ser o seu namorado.
- Por quê?
Ela ouviu aquilo e não quis acreditar. Dos seus olhos começaram a cair lágrimas, aos poucos começou a soluçar. Victor a abraçou.
- Só quero que saibas: eu te amo, mas não posso mais continuar contigo. Quando se perde a confiança, fica difícil prosseguir. Peço que entendas. Não vou te culpar, e muito menos falar o motivo que nos separamos.
Ele beijou o rosto dela, carinhosamente, e desceu as escadas da biblioteca com a cabeça baixa sentindo o seu rosto ser acariciado pelas lágrimas.
adenildo lima

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Nauseando

O tempo...

Há quem pergunte quem é o tempo. Principalmente quando paramos para pensar sobre a náusea que é a vida pós-moderna.

Acordamos pela manhã, e muitas vezes nem sobra um tempinho para olhar para o espelho e dizer: você é muito importante! E numa correria louca corremos para um ponto de ônibus, ou uma estação de metrô, de trem.

O pós-modernismo nos arrancou os relógios. Pior, em troca nos deu um celular. E as pessoas saem como esquizofrênicos com fone nos ouvidos, conversando. Na primeira vez que vi, me assustei. uma moça estava batendo os lábios e fazendo gestos. Pensei: ela tá chapadona!, pirou de vez. Mas ao olhar descobri que o celular dela era moderno e carregava fone nos ouvidos, não apenas para rádio, mas também para se comunicar.

E o tempo, onde fica diante de tudo isso?

Não sei se neste momento estou nauseando, mas quem já parou pra pensar na inutilidade que é a vida? Acorda pela manhã, sai às loucas para o trabalho, volta à noite, cansado, nem sobra tempo para abraçar os familiares, na maioria das vezes. Muitos vão estudar, chegam em casa meia-noite, na maior correria, comem alguma coisa, tomam banho, fazem trabalhos escolar, olham para o relógio/celular: 2h da madrugada. Deitam apressadamente, dormem 3,4, 5 horas... e volta tudo de novo.

O que precisamos fazer é aproveitar a vida. Deixar alguns minutos que podemos estar com amigos, namorando, passeando... para ficar se planejando para o futuro? onde está o futuro?

Tudo isso que escrevi, acredito que se resume apenas em aproveitar a vida, sem sermos escravos dela, e ser escravo dela é deixar de viver para si mesmo. E isso não quer dizer que vamos deixar de trabalhar, estudar, namorar, passear...

Acho que é isso... também não sei.

Adenildo Lima

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Ilusão

A vida, às vezes, até parece uma regra de três. Triste é quando se perde as ilusões. A ilusão alimenta o ser humano, seja lá como for. Eu, muitas vezes, até digo que o sonho é a mesma coisa da ilusão, só que ao contrário. E a vida, é uma matemática, onde somamos, dividimos, diminuimos e multiplicamos?

Talvez até seja, mas você já imaginou diante de um problema, desesperado, sem saber resolvê-lo? O dia a dia nos coloca diante disso, é neste momento onde buscamos as esperanças perdidas nas ilusões misturadas num sonho além-mar. Se não encontrá-la, entra naquela melancolia de um olhar sem saber pra onde.

A paixão, podemos compará-la com a ilusão. Ela nos move para mundos distantes, mundos fantasiosos, e criamos cenários, lugares... até pensamos abraçados e sendo felizes para sempre. Acho que todo mundo já teve uma paixão. Eu mesmo, vivo apaixonado a vida toda, mas prefiro o amor, ele é mais calmo, carinhoso e até mesmo o abraço é mais sincero.

Mas, se você ainda não parou para pensar na ilusão, comece, ela não é ruim. E comece também a se amar mais, se valorizar mais... a ser mais apaixonado pelo o que faz, e a ilusão pode ser um bom tempero. Já a regra de três, fica pra depois.

adenildo lima

A mulher e o poeta

Ao poeta é possível capitar a essência da alma feminina, aquela alma misteriosa. A alma da mulher, pelo menos dizem os poetas, é nobre, é sensível. No próprio olhar vem um carinho aconchegante, delicado...

Um dia também serei um poeta e, irei adentrar suavemente nos abraços e aconchegos da mulher que passa.

adenildo lima

Um belo sonho

Era madrugada, ela apareceu como num toque de mágica. Livre, tão natural. Tomou banho, saiu com sua toalha deixando o seu corpo transmitir sensualidade. Olhei, observei. Pôs um short, não lembro bem a cor, mas era verde ou azul. Sentou ao meu lado e conversou bastante. Toda sorridente. Tantos dias eu tinha sonhado com aquele momento. Ela me abraçou, e eu acordei. Maldito sonho!!! rs
adenildo lima

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

O religioso e o ateu

Religião sempre foi e sempre será um tema complexo para se falar. E o ateísmo?
O que me chama a atenção em um ser humano, não é o fato dele ser religiou ou não. É a maneira como ele se comporta, isso sim, me faz refletir.
Pelo menos no ponto viável do assunto, o religioso é a pessoa que ama, que respeita, ou, que deveria fazer isso. Mas como a realidade é sempre diferente do mundo, dito, fantasioso, muitas coisas são diferentes.
Primeiro é preciso respeitar a cultura de cada um, que não seja medido o deus das pessoas pelas religiões. Quem nasce no Brasil tem a tendência de ser católico ou, como dizem: evangélico. Mas se este mesmo cidadão tivesse nascido na Índia, por exemplo.
Mas diante de um religioso, até que é respeitado o fato de ser de uma outra religião, mas quando alguém abre a boca e diz que é ateu, melhor seria ter falado que era o bandido da luz vermelha, diante do religioso tradicional, talvez ele tivesse mais acolhimento.
Não estou exagerando, tenho este assunto, que o qual estou comentando, por experiências vividas. É um choque muito grande para um religioso ouvir que fulano é ateu. Eu também já fui religioso, depois de milhões de leituras, não preciso mais de um deus vindo pela boca de padres, pastores.... sejam lá o quê... preciso apenas do amor, e isso basta.
O que me deixa com perguntas soltas no ar, é: o ateu respeita todas as religiões, mesmo não tendo um deus, por que os religiosos que tanto pregam o amor, entram nessa contradição?
No yutube, Dráuzio Varella fala sobre o ateismo:
adenildo lima

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Momento íntimo

Observando um formigueiro, sendo o animal humano que sou, invejei-o.

adenildo lima

O afogamento dos peixes

Tudo parece um simples encontro. Ela conhece dois rapazes, um é mascarado, o outro é divertido, brincalhão... não leva nada a sério. Ela apenas faz seus questionamentos.

Às vezes, eu percebo que ela não quer aceitar que os dois são uma só pessoa, mas é preciso ela saber que nós somos milhões de pessoas caminhando por aí. Não podemos ser o chato a vida inteira, não podemos ser a pessoa brincalhona a vida inteira, precisamos ser aquilo que o momento pede, o que não podemos deixar de ser, é o que somos dentro de nós: a essência humana, o amor que nos move, isso não pode mudar.

Mas um dia ela saberá que os dois, assim como as borboletas que voam sem pedir licença, e sem pedir autorização, aproveitam suas 24h de vida, mesmo sem saber que vai morrer, mas elas aproveitam, e vivem tudo o que pode.

Não, não vamos nos encolher feitos tartarugas, vamos gritar, vamos abraçar o tempo, e que o tempo seja você que caminha beijando o vento e questionando as coisas mais simples.

Mas os peixem morreram todos, afogados na tempestade de lágrimas do beijaflor que beijou a flor, mas que não encontrou amor nos olhos da multidão que passava.

adenildo lima

Agradecimentos

Ah, esqueci de agradecer a todos que visitam este espaço, espaço íntimo, onde deixo os segredos mais profundos, dividindo com pessoas que, muitas vezes, nem as conheço. Obrigado, e um bom fevereiro pra todos nós.

adenildo lima

Solta no parque

Solta no parque, te vi caminhando lentamente, com os braços abertos, beijando o vento. Lembrei dos meus sonhos: milhões de vezes tive este mesmo sonho (não acredito em sonhos, mas sempre acreditei em um momento nosso, único, e eu e você, você e eu.

Solta no parque, os flashes passavam diante de mim, eu lembrava cada momento sonhado (eu sempre te amei). Tive raiva do vento ao vê-lo te levando e, eu não pude mais encontrar a realidade. Eu quis chorar, e até hoje, ainda choro os teus abraços apenas sonhado. Solta no parque, ainda lembro você caminhando lentamente.

adenildo lima