sábado, 29 de novembro de 2008

Dentro de mim

Dentro de mim, existe vários livros para serem escritos. Um deles é Caminhos de um poeta. Alguns irão chamá-lo de autobiográfico; outros dirão que é a minha história. E eu direi apenas que não é simplesmente um livro. Talvez ele seja escrito daqui a 30 anos, daqui a muitos anos. Não sei, mas carrego esse livro dentro de mim, se construindo a cada dia que se passa, se fazendo história... vai ser um enredo lindo, uma narrativa de vida, talvez seja Vinícius, o personagem principal; não sei, talvez seja apenas um garoto brasileiro.

Dentro de mim, tem centenas e centenas de livros para serem escritos, eu sei disso. Agora em 2009 eu e o poeta Márcio Ahimsa estamos com um projeto bem antigo: lançar um livro juntos. Estamos tendo apoio de pessoas muito importantes; pessoas humanas - dois professores maravilhosos, eles que tanto conhecem deste mundo de poesia, aceitaram nosso humilde pedido, isso é mais do que uma honra para nós.

Carrego dentro de mim, tantos poemas esperando apenas para serem escritos, tantos poemas! às vezes eu trabalho alguns poemas em sala de aula, escritos por mim. Essa semana mesmo, trabalhei um, não coloquei o nome do autor, só no final fiz isso. Os alunos discutiram, debateram sobre o assunto, até disseram que o autor daquele poema era um louco, quando ficou sabendo que o autor era eu, pediu desculpa. Por que desculpa? - eu perguntei. A loucura é o que faz mudar o mundo - falei, e em seguida brincamos. rs - em seguida pedi pra eles escreverem alguma coisa. O intervalo tocou, vários alunos agradeceram a aula, e saíram felizes.

Dentro de mim, carrego o sonho de uma criança, a esperança de uma mãe diante do seu filho. Quando eu escrever o meu livro (não sei quando), mas o Brasil nesta época já conhecerá o poeta Adenildo Lima. Essa semana ao imprimir 300 páginas com mais de 500 poemas meus, para registrar, fiquei espantado e perguntei: pra que poesia? é, já escrevi um monte...rs... escrever para mim, é vomitar o que eu não consigo engolir, é mostrar um pensamento meu, diante de tantos obstáculos da vida.

O meu livro, Caminhos de um poeta, o personagem vem do nada, praticamente do nada, mas a sua história vai ganhando vida em cima do sangue caído pelos pés calcados na longa caminhada, mas se alguém pensar que tem um poeta sem ser sofrido, está enganado. Pessoa, Camões, o próprio Drummond, Cora Coralina, Patativa do Assaré... Sim, têm alguns que tiveram uma vida de burguês, mas para escrever é preciso ter sofrimento. Retratar a vida na arte, precisa por alma nela, e quem não sofreu nesta vida, não tem em si o retrato da arte. A arte tem a face que você tem, que você consegue enxergar.

Mas quem sabe um dia você me encontra por aí e me dará bom dia, e eu te abraço, e conversamos um montão de coisas. Na vida, nunca quero ser professor, quero ser apenas um rapaz que entra em sala de aula e divide o pouco que sabe com aquelas pessoas que estão ali , que tanto têm para nos ensinar, e dividindo se aprende mais. Não quero ser nunca o professor tradicional, quero poder sentar à mesa com alunos e tomar um cerveja, um suco, um guaraná, brincar e poder ver no olhar de cada um que nenhum deles me veem como superior, e sim, como um amigo, como alguém que tanto estuda para dividir com eles.

(Na vida, só precisamos aprender a respeitar, depois disso, tudo caminha bem)

Não, nunca quero ser o poeta da elite, dos estudiosos... nunca! quero ser o poeta do povo, quero ouvir um dia alguém dizer: este cara é o poeta do povo, escreve para o povo. Tenho medo de intelectuais, eles colocam um diploma na cara e escondem os olhos. Sem o seu olhar não posso te abraçar, amigo.

Sim, um dia eu escrevo o nosso livro: terá a minha história, a sua, você será personagem principal em cada página... Hoje mesmo, acabo de escrever um pouco de nós.

adenildo lima

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O amor e suas interpretações

As pessoas se matam e se matam procurando definir o amor. Eu, sinceramente, acho tudo isso uma grande bobagem. Amor se vive, e pronto! Buscar definições em palavras?

Adenildo Lima

Uma criança e um voto

Hoje, conversando com uma jovem garota, ela me perguntou qual o motivo de deixarem tantas crianças nas ruas: jogadas, abandonadas, cheirando cola, sem escola...

Eu elevei o olhar para o infinito, tentei uma explicação com palavras mais simples, mais leves, mas apenas disse: uma criança na rua é uma fonte de votos!

Percebi que ela se assustou um pouco, mas acho que ela em seguida conseguiu entender. Ri, abracei-a e segui a caminhada da vida.

Adenildo Lima

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Um banho e água fresca

No dia 14 deste mesmo mês viajei pra uma chácara lá em Campinas. Uma amiga me convidou, e eu fui. Primeiro, quero dizer que foi maravilhoso.

Um lugar muito bonito, excelente lugar. Ao chegar, já era um pouco mais de meia noite de sexta, dia 14. Ficamos bebendo e conversando. Tive uma recepção, sem comentários: boa demais!

A galera, uma turma muito gente boa. Conhecia pouca gente, além da minha amiga. Tirei esses dias para descançar. Foi muito bom. O dono da chácara, me recebeu com muito carinho, batemos um dominó, foi muito bom. rs

Umas belas garotas, davam um determinado flash no olhar dos rapazes. Jovens bonitas, confesso. Como dizem, um poeta observa e vive o que pode. Rs.... mas têm momentos da vida que tiramos realmente para o descanço.

Resumindo: foi maravilhoso!!!

Adenildo Lima

domingo, 23 de novembro de 2008

O momento

O momento. O que é?

Falar do momento é algo que eu, sinceramente, não sei explicar. Num momento tanta coisa pode acontecer. Pode ficar para sempre, pode trazer boas lembranças, sempre! como pode ser uma lembrança dura. Mas neste momento eu só queria mesmo poder dizer para todos que a única coisa que tenho para dar, é amor.

Adenildo Lima

Lembranças

A ausência é algo muito forte, quando estamos diante dela, ela parece uma mulher desfigurada. Às vezes as lágrimas tentam molhar o rosto sofrido com o que se foi. A mente guarda as melhores lembranças, e tenta nos enganar que nada aconteceu, mas é difícil diante deste vazio.

Sinto que uma parte foi de mim, eu não queria falar isso, mas fazer o quê, né? Parece que o universo está perto de um infinito que eu não posso alcançar, é uma paz na solidão, é uma pausa no retrato, eu não consigo olhar.

Adenildo Lima

Verso X

Com tanta correria você acabou esquecendo que eu te amo!

Por Adenildo Lima

Verso IX

As palavras tem sabor, experimente-as!

Por Adenildo Lima

Verso VIII

Mulher, você é tão bonita com toda essa maquiagem que não consigo ver a sua beleza interior. Desculpa, mas não entendo nada de moda.

Por Adenildo Lima

Verso VII

Um poeta escreve seus versos, pena que muitos ainda não conseguiram entender que as palavras tem sabor.

Por Adenildo Lima

Verso VI

Desculpa, amigo, mas você não conhece nenhum outro livro além da Bíblia?

Por Adenildo Lima

Verso V

São mentiras demais para eu me humilhar te adorando. O que fez Joana Dark?

Por Adenildo Lima

Verso IV

Na vida existe dois caminhos: a escolha é de cada um!

Por Adenildo Lima

Verso III

No momento lembro de você, mas a minha lembrança é apenas versos.

Por Adenildo Lima

Verso II

Dentro de cada ser humano existe um monstro, existe um anjo... a escolha é sua.

Por Adenildo Lima

Verso I

São apenas palavras, tudo o que eu digo, se forem importantes para você, aproveite-as!

Por Adenildo Lima

Minha linda paixão

Começo escrever este texto sem saber o que vou falar. É madruga, e estou meio cansado, eu acho. Durante ao dia, fui ao centro comprar livros, comprei um monte. Encontrei um livro da autora que eu tanto amo. Ah, descobri, vou falar de paixão, já que estou apaixonado por Ela.

O nome dela é Cora Coralina, sinto que a cada dia que a conheço (através de seus poemas) fico mais apaixonado. Ela é simples, e a simplicidade me encanta. Escreve livremente, fala das coisas simples da vida, do cotidiano. Publicou seu primeiro livro aos 75 anos de idade. Ela nasceu na cidade de Goiás em 20 de agosto de 1889. A parte do falecimento, eu gostaria de não comentar, mas Ela deixou de andar por esta terra, como matéria, em 1985.

Mas um poeta não morre, impossível isso acontecer "Sou raiz, e vou caminhando/ sobre as minhas raízes tribais." - com estes dois versos Ela retrata que continuaria viva. As palavras dela, são palavras que qualquer homem fica feliz ao ouvir. Cada palavra é verdadeira, é alma, é simples, é transparente; estou apaixonado mais e mais por Ela.

"Dizia o meu avô: / Quando as coisas ficam ruins, / é sinal de que o bom está perto." - Ela mostra afinidade com as coisas ruins e nos mostra que nada é para fazer baixarmos a cabeça. E em outro poema Ela acrescenta "Aqueles que acreditam / caminham para a frente" - Caminhar para a frente é não ter medo de si mesmo, e é isso que ela nos passa.

Estes trechos de poemas retirei do livro VINTÉM DE COBRE, meias confissões de aninha, pela Editora UFG.

Eu creio

Creio nos valores humanos
e sou a mulher terra.

Creio em Garça e na sua gente.
Creio na força do trabalho
como elos e trança do progresso.

Acredito numa energia imanente
que virá um dia ligar a família humana
numa corrente de fraternidade universal.

Creio na salvação dos abandonados
e na regeneração dos encarcerados,
pela exaltação e dignidade do trabalho.

Acredito nos jovens à procura de caminhos novos
abrindo espaços na vida.

Creio na superação das incertezas
deste fim de século. - CORA COLARINA

Diante das palavras dela, me sinto tão feliz, e aprendo tanto.

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Apenas palavras, talvez!

Hoje, olhando suas fotos, tive vontade de estar ao seu lado. Veio-me uma lembrança gostosa, um sentimento de amor por ti; mas nunca nos amamos, eu sei. Mas lembro aquele abraço repetido que você me deu; você ainda era casada, hoje não mais.

Teu sorriso mostrando teus lábios molhados, teu olhar por detrás daqueles óculos, aquela pele macia; juro! tive vontade de estar ao seu lado. Eu já te escrevi, você não respondeu, te convidei para um momento mais próximo, entre mim e você: um restaurante talvez, você não respondeu.

Eu, sinceramente, não sei explicar este sentimento. Sempre te vi passando, indo e vindo; sempre te achei bonita, confesso, mas nunca tinha sentido este sentimento: um sentimento misturado com um desejo de beijar os seus lábios, sentir o seu corpo; sentir o seu corpo, hoje ao olhar sua foto tive vontade de estar ao seu lado.

Talvez aquele abraço, tenha sido de uma pessoa que, por alguns assuntos particulares estivesse carente... te peço perdão se foi, mas senti algo diferente. Um sentimento naquele momento me envolveu. Talvez um beijo apenas em seus lábios molhados realize os meus desejos aguçados por ti.

Mas se nunca eu poder sentir o seu corpo e beijar os seus lábios... me perdoa, mas você é culpada, nem me deu o direito de falar que eu estou sentindo isso por você. Aceita o meu convite, é apenas um convite. Pena que talvez você nunca leia este texto. Não sei, talvez até você leia, mas não saberá que falo de você, como ter certeza, né?

"Este menino sonhador de nome Vinícius fala tantas metáforas, talvez este texto nem seja real".

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Verso V

Me ame sem medo, mas permita que o medo seja tempero para o nosso amor.

Por Adenildo Lima

Verso IV

A minha casa é muito pequena para guardar ódio.

Por Adenildo Lima

Verso III

A madrugada esfria a fria calçada que acolhe o meu corpo.

Por Adenildo Lima

Verso II

Diante de uma enorme barreira, o tocar dos lábios foi mágico.

Por Adenildo Lima

Verso I

O tempo não é tão mau assim, para ser capaz de roubar o tempo de amar.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Sonhos

Ontem eu sonhei em teus braços, mas você apenas disse: fica um pouco mais. E eu fiquei, mas quando acordei você estava tão longe. Parece que o vento levou você de mim. Sem você, fiquei diante de uma noite estrelada, olhando cada detalhe do universo. Mas eu te amo, mesmo em meus sonhos quando fico contigo, consigo ser mais feliz, afinal a vida é mesmo uma ilusão.

Por Adenildo Lima

Pedidos

Você me pediu um tempo, mas quando foi que estivemos juntos?

Por Adenildo Lima

domingo, 9 de novembro de 2008

2º ato

Depois do google, os intelectuais que temos, perderam bastante. rs
Por Adenildo Lima

Iº ato

Esqueça de mim, mas nunca se esqueça das palavras que te falei.

Por Adenildo Lima

Iº ato

Fique longe de mim, mas não se esqueça que vim de tão longe para ficar ao seu lado.

Por Adenildo Lima

sábado, 8 de novembro de 2008

Em cada olhar

São milhões de olhares perdidos por aí, caminhando sem saber pra onde. Ruas movimentadas, transportes públicos lotados, trânsito infernal. Eu sou um neste meio de tantos, mas não quero ser apenas mais um.

Todo contexto é interpretado conforme o seu conhecimento. Eu procuro interpretar com um olhar de uma nação, não posso ficar feliz, esperando apenas que o mundo esteja bom pra mim. Ser individualista só é importante enquanto se começa pensar, mas em seguida o pensamento precisa ser compartilhado.

Digo e repito várias vezes que não gosto de intelectuais. Sim, realmente não gosto, tenho pavor a este povo que se diz intelectual. Eles são pessoas mesquinhas, com um pensamento de superioridade, com estato burguês, herança de um pensamento existente desde muitos anos.

O conhecimento serve para fazer com que a sociedade desfrute dele em conjunto, que ajude a ter uma nação com objetivos sociais-humanos. Mas alguém conhece os intelectuais de hoje? (...)

Tenho grande orgulho de Darcy Ribeiro, Milton Santos - mas eles eram do povo nunca levantaram títulos acadêmicos como caminho a ser seguido; pelo menos até onde conheço.

São milhões de olhares perdidos: alguns até se encontram na subida de uma escada rolante dentro de uma estação de metrô; outros, apenas passam com o vento. Hoje, estou conformado que não posso mudar o mundo. Quem pode fazer isso? O mundo é muito grande, é infinito. Precisamos mudar o mundo que podemos alcançar com as almas, com o pensamento, com o olhar infinito do amor; tenho certeza: muitos mundos mudarão.

Que o seu abraço, amigo, não venha com a intenção de um pensamento inimigo. Vamos nos abraçar; no caminho, um sempre precisa do outro, podem ter certeza.

Por Adenildo Lima

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Os lábios e os beijos

Duas bocas se beijando, dois corpos se amando...
Os desejos se aguçam, os corpos tremem,
Os adultos voltam a ser crianças,
E choram, e brincam, e ficam tão felizes!

Por Adenildo Lima

A cama e o travesseiro

Você deitou sobre a cama, deixou uma luz bem calma, silenciosa, vestida com uma roupa transparente, uns lábios molhados, e me convidou para deitar contigo. Deitei. Te vesti de jambo, e nos amamos.
Por Adenildo Lima

A chuva

Estávamos sozinhos, lembra? Peguei em sua mão, você gelou e disse: não. Acariciei-a com muito carinho, elevei o braço ao seu pescoço, e nos beijamos. O filme passou, nem lembro o que aconteceu, você foi imagens e lembranças para mim, naquele momento. Hoje, procuro a chuva como amiga para não lavar os meus lábios tocados e beijados pelos seus.
Por Adenildo Lima

Eu e você

Enquanto eu olhava pela janela do meu quarto, lembrei de você, me veio uma lembrança tão forte, acredita? Mas uma cena que ficou gravada em minha mente foi aquela, naquele dia: eu te encontrei num lugar qualquer, debaixo de uma breve chuva que caía. Você me abraçou, apertou fortemente o meu corpo, senti seu coração pulsando acelerado, nossos corpos se uniram com tanta intensidade. Até parece algo banal, mas as coisas mais simples da vida, para mim, muitas vezes, são as mais importantes.
Por Adenildo Lima

domingo, 2 de novembro de 2008

Fátria sem mátria















Amamenta teu filho, deixa que ele sinta o bico do seu peito em sua língua, aliás, somos teus filhos, mamamos o teu leite, e até derramamos o teu sangue. Mama África, hoje, aflita lutando por um espaço em pleno século XXI, neste país imperial.

Sente sua cultura sendo massacrada a cada dia que se passa.

Mama África, você grita, chora, implora... lutando por escola, por universidade, por moradia; fala, poucos ouvem. Há tantos séculos!!!

Nos teus seios, mama, toda a terra já mamou, mas você não é prostituta não, você é mãe, e qual amor se mede ao teu? Mama, jogada nas calçadas das grandes cidades brasileiras, mas alimenta seu filho, mesmo sem apoio, sonha e acredita que pode salvar esta pátria preconceituosa: País de índios massacrados, país de índios assassinados: Brasil!

Brasil, tenho vergonha de tanto sangue derramado. As Academias Universitárias são verdadeiras prisões. Os estudiosos têm tanto poder em suas mãos para lutar contra o poder, esse poder político e podre! Mas, os professores, nas Universidade de Medicina, não ensinam aos alunos para lutar contra o sistema; na verdade, ensinam a entrar no sistema - Absurdo!

Os cursos de Filosofia, não ensinam aos alunos a lutarem contra este poder destruidor ,que é a mídia, a política; sendo sincero, não ensina aos alunos a serem Ser pensante, ensinam a entrarem no sistema - absurdo!!!

As Universidades de Direito não ensinam aos alunos a usarem o conhecimento a favor da nação. ensinam a usarem contra. Universidades!!! Centros acadêmicos, vocês são parte integrante de tudo isso que estamos vivendo.

Já as religiões, não pregam o amor, pregam um deus que faz guerra, que ama o dinheiro, que faz o seu "fiel" olhar com preconceito diante de um negro, diante de um jovem que se veste com um determinado estilo... Que deus é esse?!!!!

Não vão me dizer que é o homem que faz isso, lembrem-se: o homem é imagem e semelhança de deus, como fala a bíblia, então... pensem sobre isso!!!

Mama África continua tentando alimentar seu filho... e nós, o que estamos fazendo?

Por Adenildo Lima

sábado, 1 de novembro de 2008

1º de novembro

Queridas e queridos que visitam este blog, agradeço por sua leitura, agradeço seus comentários, afinal, hoje, esta página tem mais importância com a sua participação. Obrigado!!!

Um bom mês de novembro pra todos nós!!!!

Adenildo Lima