sábado, 25 de outubro de 2008

Madrugada

É madrugada, o tempo fica sombrio, escondido por detrás de um sorriso solitário, talvez. Eu gosto muito das madrugadas, nunca neguei isso. Consigo ficar mais comigo mesmo, pensar mais sobre determinados assuntos. Em casa, todos dormem, mas eu continuo aqui, eu gosto de estar aqui. Fico com o som ligado em volume baixo... uma felicidade me abraça.

É um encontro tão gostoso este que tenho. Nas madrugadas costumo ler, escrever... no momento estou lendo Ovídio - poeta - o livro A arte de amar. É interessante a maneira como ele aborda o amor, ele que nasceu no ano 43 a.C.

Passei vários dias namorando este livro, várias vezes parei na banca de jornal, enquanto ia para o trabalho; olhava, olhava... até que hoje eu comprei. A arte de amar é um livro, pelo o que eu li até agora, onde o leitor vai se auto-descobrindo diante do amor, mesmo escrito há tantos anos é bem atual, em determinadas partes.

O amor, na verdade, é uma arte. Eu mesmo já cheguei a escrever nesta página que "Deixei de acreditar em tudo para acreditar apenas no amor". Amei esta frase pois, se eu acredito no amor, basta! Ultimamente, estou lendo uns livros que tratam da sexualidade, o sexo a cada dia que passa se desvaloriza mais diante das pessoas, até parece que o sexo é um objeto de prazer. Sexo é vida, é compartilhar momentos, vidas...

Precisamos voltar nossos olhares com mais observação, afinal, a união de dois corpos, se transformando em apenas um é algo... as palavras aqui não conseguirão definir.

por Adenildo Lima

2 comentários:

marcela disse...

Não acho que as pessoas em geral estão desvalorizando o sexo! Acho sim que o amor por si só deixou de ser tão importante como era! Aquela paixão avassaladora já não pesa tanto na vida das pessoas! Hoje em dia procuramos conhecer, analisar e observar os atos de algumas pessoas para então deixar nos levar por essa emoção e sentimento que há muito deixou de ser reconhecido e o resultado geralmente é maior do que esperamos.

Rosana disse...

Cada dia que passa eu vejo que a arte de amar está nas simples coisas das vidas ... nos amigos que nos rodeiam, nas pessoas que nos tratam com delicadeza, no respeito que nos dedicam, na educação, num pequeno gesto de preocupação de uma outra parte, num aperto de mão, num carinho prolongado, na união de uma batalha, num sorriso de uma criança. São tantas coisas que nos fazem acreditar no amor! E esse sim é um amor verdadeiro e puro! E eu vejo o sexo como consequência de tudo isso!