terça-feira, 23 de setembro de 2008

O encontro

- Boa noite, jovem.
- Boa noite.
- O que faz sentado na calçada esta hora?
- Vendo o tempo passar.
- Mas quem disse que o tempo passa?
- Passa sim, jovem garota.
- Mas estes olhos esverdeados, parecem que estão olhando além do tempo.
- Olhos esverdeados? Meus olhos não tem cor, menina.
- Não, né? (...) Por quê tantos livros? vai ficar louco lendo demais.
- Preciso viver cada momento da vida, já que o tempo para mim, não existe mais.
- Não existe mais, como assim? Você não tem idade?
- Dizem que tenho, mas contar os dias é deixar de viver, e ficar esperando a morte.
- Nossa, você é estranho.
- Ainda bem, se eu não fosse, seria igual a todo mundo, né?
- Mas qual a sua idade?
- Idade... idade... dizem que eu tenho 20 e tantos. Em breve, farei 3 décadas; em breve, farei 4 décadas; em breve, os anos passarão depressa se eu for pensar neles.
- Legal, vou pensar em suas palavras. Gostei de falar com você.
- Obrigado.
O sorriso de uma criança é sempre um grande mistério, mas desvendá-lo é também ser criança, e ser criança é ter a essência da alma que a humanidade precisa.

Por Adenildo Lima

2 comentários:

Marcela disse...

Boa dia! Grata pela atenção. Não sei porque esse diálogo mexeu comigo? Será que é porque como o autor deste texto sou também um pouco misteriosa e acredito no agora, no instante, no momento vivido! Não espero muito das pessoas mas procuro me doar e sou feliz assim! Só não sou tão triste como o autor de todos estes textos e poemas. Até gostaria de poder ser alguém especial na vida dele, mas sou uma pessoa tímida e não tenho a audácia que muitas mulheres possuem. Sou uma pessoa reservada. Procuro a felicidade entre os amigos e a família e me sinto feliz assim! Digamos que tenho algo em comum .. sou também alguém que tem os olhos esverdeados e gosto muito de leitura e poesias!
Muita energia em sua vida!

Rosana disse...

Adê ... a vida é a arte do encontro!