quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Abraço ninar

Às vezes me sinto um pássaro sem asas, sem destino para o vôo, sem sentir os lábios beijando o infinito. O infinito é tão próximo, tão presente, mas às vezes não consigo tocá-lo. Tocar o infinito é abraçar o vento e deixar as coisas ruins irem embora.

Por Adenildo Lima


Um comentário:

Rosana disse...

Por que será que todos nós sentimos essa necessidade ou essa sensação de liberdade dos pássaros em querer voar, achando que com isso nos sentiremos bem melhor e livres ... não é bem assim ... a liberdade que procuramos está dentro de cada um de nós! Temos apenas que encontrá-la para que assim nossa alma/espírito se sinta livre ... livre para voar!