terça-feira, 30 de setembro de 2008

Pessoas e coisas VII

Nunca deixe de subir as escadas. Elas sempre nos levam ao degrau. Cuidado! ela também derruba.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas VI

Nunca desça pela escada, enquanto ela estiver subindo. É perigoso!

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas V

A coisa é a pessoa ou a pessoa é a coisa?

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas V

Sonhar é o melhor negócio para nao viver tão triste.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas IV

Quem nunca lutou, na verdade nunca viveu.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas III

A luta é sempre um grande caminho para se morrer mais jovem.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas II

Ela disse que me amava, eu acreditei. Aí, beijei seus lábios, foi tão gostoso, ainda lembro, era apenas um adolescente.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas I

Uma felicidade me consome, me invade. A felicidade é coisa tão pouca, nem sei o motivo de existir pessoas infelizes.

Por Adenildo Lima

Uma cama e um sonho

O relógio marca meia noite, e já cai a noite. Escuto Lenine "É o que me interessa". Você, possivelmente, esteja dormindo, deitada em sua cama, mas eu estou aqui, acabo de chegar da escola, depois de 5 aulas. ÀS 5:30 vou me levantar. Talvez eu sonhe contigo, acho que não. Você dorme, mas eu te acordo. Você permite? Acho que você tem medo de se apaixonar por mim, fugiu de repente. Não foge, eu nunca fui apaixonado por você, apenas te admirava, queria estar ao seu lado. Te acho muito bonita, meiga; seus cabelos são tão lindos! às vezes eu acho que até estou apaixonado por você, mas ao mesmo tempo, acho que não terei coragem de falar. Na verdade, acho que você nunca existiu, o bom de escrever é que podemos criar e inventar personagens. Você leu meu e-mail? Nossa! mas também não lembro se escrevi, desculpa!

Por Adenildo Lima

domingo, 28 de setembro de 2008

Um olhar e uma bolsa

- Senhor, o que olhas, com este olhar perdido?
- Olho o infinito, filho.
- Mas o que carregas nesta tua bolsa, posta nas costas?
- Carrego palavras, filho, palavras.
- Mas palavra, serve pra quê?
- Não sei filho, esta bolsa pesa, têm diplomas, tem uma história e tem as palavras que eu quero fazê-las adormecer.
- Adormecer palavras, senhor?
- Sim filho, já existem palavras demais.
- Mas elas querem falar, senhor, tantas pessoas gostam de as ouvir, por que tentar abortá-las?
- É um direito meu, filho.
- Mas o seu direito não pode permitir o reflexo escondido por detrás deste olhar perdido.
- Pode filho, pode.
- Não pode, senhor. Calar é o mesmo que admirar o pensamento de um ser humano (humanamente falando) e ser igual a FHC.
- Calma, filho, não exagere.
- Tudo bem, senhor, mas para que vai ser estas palavras amarradas nesta tua bolsa jogada nas costas?
- Não sei, filho, mas sei que você às vezes me pergunta coisas que não consigo responder de imediato, afinal você tem a mesma idade que eu.

Por: Adenildo Lima

sábado, 27 de setembro de 2008

Sorriso de criança

Se o mundo está perdido, olhe o sorriso da criança que passa. Olhe os lábios da mulher que ama. Brinque com as dores da civilização. Abrace o seu corpo e durma. Quem não tem amor, cria o seu e adormece.

Por Adenildo Lima

Calma!

- Mãe, quero mamá.
o patrão respondeu:
- Mama-áfrica não tem leite pra filho mamá. Mama-áfrica tem apenas o direito de o patrão escutar.

Por Adenildo Lima

O homi dixe

- Bom dia - bom dia - o homi dixe.
- boa tarde - boa tarde - o homi dixe.
- boa noite - boa noite - o homi dixe.
Ninguém respondeu, mais uma vez o homi dixe:

- Nossa, na cidadi grandi todu mundo é sudu e istrangero.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso V

Agora o corpo dela, despido e satisfeito, faz com que, Vinícius deite-se no paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso IV

E quando os dois, chegaram ao paraíso, conheceram os prazeres, os amores e as dores.
Agora, os dois se perdem um pouco no paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso III

E quando ela, deixa-o tocar seus seios, suas pernas, seus lábios; suas partes mais íntimas. Os dois foram ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso II

E quando ela, deixou a saia cair, exibindo-lhe sua parte mais íntima, diante dos olhos dele. Vinícius foi ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso I

E quando ela, dentro daquele quarto, foi tirando a roupa, exibindo-lhe os lábios carnudos, os seios pontudos, a barriga atraente. Vinícius foi ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Os viajantes

Mariana saiu para passear, numa bela tarde de verão. No caminho, encontrou um amigo de velhos tempos. Abraçaram-se, riram, brincaram... e continuaram caminhando. Os dois, parece que não tinham um ponto fixo para chegar, queriam apenas viajar. Entraram na estação de metrô, atravessaram a catraca (ao lado, um casal brigava) desceram a escada, entraram no metrô (ao lado ,um casal se beijava), e foram.

Desceram na próxima estação, subiram a escada (ao lado, uma moça chorava), atravessaram a catraca (ao lado, uma mãe amamentava). Saíram, seguiram rua afora, sem destino e sem hora (ao lado, um carro atropelava). Os dois seguiam tranquilamente, queriam apenas viajar. Passaram por debaixo de um viaduto (ao lado, uma arma apontava). Mas os dois caminhavam.

Chegaram num teatro (ao lado, uma atriz ria e ria), entraram no auditório (ao lado, um casal criticava). Assistiram a peça, feliz com sorrisos na mente; felizmente. Saíram do teatro (ao lado, uns seguranças abordavam um rapaz simpático), continuaram sua caminhada.

Chegaram mais uma vez na estação: o metrô era de ferro, os homens eram de ferro, a catraca era de ferro; tudo era de ferro, mas os dois enxergavam carne naquele lugar.

Ao lado, sempre tem alguém. Cuidado!

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão X

Felicidade é não ter relógio, celular, carro, patrão; controladores.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão IX

A família é a base de tudo, sem ela, somos meros seres vivos caminhando por aí.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VIII

Amar é respeitar, isso basta para definir o amor.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VII

Acreditar no amor eterno é viver esperando uma eternidade e esquecer de viver o presente.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VI

Quando me calo diante das situações, sei que o meu silêncio fala bem mais.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão V

Dependendo do momento, um bom livro, é bem mais prazeroso do que uma transa qualquer.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão IV

Diante de tantas pessoas mascaradas, sem máscaras, acredito ser uma das mais felizes.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão III

O casamento é uma maneira de preencher um vazio que nunca será preenchido.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão II

A morte, para quem morre, é um alívio, doída apenas para quem fica.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão I

A ilusão é a única realidade existente; ao contrário, tudo é ilusão.

Por Adenildo Lima

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Um homem e um monstro

Dentro de mim, tem um monstro. E carrega a astúcia de um guerreiro, mas odeia guerra. Dentro de mim, existe uma criança (que ainda sonha) mesmo entre tantos rumores. Dentro de mim, existe um homem alegre, feliz, contente, sorridente... mas chora diante das dores de outras pessoas; já que somos imagens e semelhança, este homem que vive dentro de mim, também se sente ferido. Dentro de mim, também existe uma mulher, só a elas é dado o dom de dar a luz. E eu procuro que através dos meus olhos sempre nasça aquela criança. Dentro de mim, ainda existe, os desejos do homem apaixonado pela mulher que vai lentamente andando pela calçada. Dentro de mim, tem um rapaz observador, crítico, falador... dentro de mim, existe um mundo, mas este mundo é partículas que me faz ser o que as pessoas amam ou odeiam.

Dentro de mim, existe também um sonho que o monstro não pode destruir, jamais!

Por Adenildo Lima

Contraste

Têm adultos que parecem crianças, e têm crianças que parecem adultos. Mas como parecer não é ser, muitas atitudes adultas são vergonhosas, fecham a cara... com nada! confundem coisas banais com coisas sérias e, ainda se acham, os deuses do acontecimento.

As crianças são diferentes, elas amam. Muitos adultos, ao contrário, só fingem. Por isso que "não sou alegre, nem sou triste: sou poeta". Como diz Cecília Meireles.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Sorriso I

Abraça-me, quero sentir os teus lábios sorridentes encostando nos meus.

Por Adenildo Lima

O encontro e os enigmas

Entre dois olhares perdidos, sempre podemos descobrir alguma coisa.

Por Adenildo Lima

O encontro

- Boa noite, jovem.
- Boa noite.
- O que faz sentado na calçada esta hora?
- Vendo o tempo passar.
- Mas quem disse que o tempo passa?
- Passa sim, jovem garota.
- Mas estes olhos esverdeados, parecem que estão olhando além do tempo.
- Olhos esverdeados? Meus olhos não tem cor, menina.
- Não, né? (...) Por quê tantos livros? vai ficar louco lendo demais.
- Preciso viver cada momento da vida, já que o tempo para mim, não existe mais.
- Não existe mais, como assim? Você não tem idade?
- Dizem que tenho, mas contar os dias é deixar de viver, e ficar esperando a morte.
- Nossa, você é estranho.
- Ainda bem, se eu não fosse, seria igual a todo mundo, né?
- Mas qual a sua idade?
- Idade... idade... dizem que eu tenho 20 e tantos. Em breve, farei 3 décadas; em breve, farei 4 décadas; em breve, os anos passarão depressa se eu for pensar neles.
- Legal, vou pensar em suas palavras. Gostei de falar com você.
- Obrigado.
O sorriso de uma criança é sempre um grande mistério, mas desvendá-lo é também ser criança, e ser criança é ter a essência da alma que a humanidade precisa.

Por Adenildo Lima

domingo, 21 de setembro de 2008

Doutores e doutoras

Eu sempre comento que não gosto de intelectuais, eles são perigosos, tenho medo quando alguém me diz: sou intelectual!

Eu, em minha simples ignorância humana, acredito que um intelectual sabe tudo, mas saber tudo é muito perigoso. Por isso me retraio e não me atraio a este mundo. Ser intelectual é perigoso, cuidado! Você pode ser chamado para compôr um júri; já que sabe tudo...

E os doutores e doutoras? cruz credo! tenho medo, na terra que eu nasci se alguém falar que é doutor será obrigado a medicar sua família. Já, no dia-a-dia com meus amigos, doutor é sentar à mesa e pedir uma cerveja: mais uma, doutor?

Mas para finalizar, tenho medo de intelectuais, eles colocam um Diploma na frente dos olhos, podem até caírem dentro dum buraco, e como eles não vão assumir a queda, eu posso ser punido por isso, já que o povo brasileiro respeita muito os doutores.

Por Adenildo Lima

A semana começa

A semana começa, a semana termina. Sábado é primeiro e último dia: primeiro dia para a diversão, último da semana. Domingo, normalmente é um dia frio, sei lá, sem graça até. Muitos vão ao cinema, outros ficam assistindo Gugu, Faustão (Credo! ki domingo!); já outros descançam esperando a segunda.

A segunda é mal, e ela tem um poder enorme, transforma homens em máquinas e as máquinas ocupam o lugar do homem; é uma guerra. Eu já cheguei a escrever referente a este assunto, aqui neste blog, mas volto, mais uma vez.

Vejo as pessoas correndo desesperadamente. Tem sempre um relógio para marcar o ponto, se não for o seu, outro marca. Faz medo também o relógio cair da parede; as pessoas trabalham loucamene controlada pelo tempo - meros escravos modernos da SISB: sistema brasileiro.

Não sei se você já percebeu, mas têm pessoas que entram correndo dentro do ônibus, dentro do trem, como se fosse adiantar alguma coisa - na verdade é um corpo humano controlado pelo SISB, e nem percebem que fazem isso; eu mesmo já fiz, depois que eu parei pra pensar: correr dentro do ônibus, do trem? loucura!

A tecnologia é boa, o avanço da modernidade também, dificil é sermos escravos dela.

Por Adenildo Lima

Química e física

Estudar é bom, amo estudar, mas nunca gostei de química e física, são duas matérias que não entram na minha cabeça. Mas química e física são duas matérias importantes na minha vida amorosa.

Quando uma mulher olha dentro dos meus olhos e vem cegamente uma química misturada com uma meta-física, sinto meu corpo tremer, um desejo aperta-me, e o coração explode.

Uma Amiga, sempre me fala, que sem química nada rola, é preciso uma força maior para acontecer a união dos dois corpos, das duas bocas, enfim, da entrega.

A entrega é algo muito sério, eu valorizo muito, não é com qualquer pessoa que devemos tirar a roupa e se entregar. Ficar nu diante de outra pessoa é a intimidade maior e, transformar dois corpos em um, é preciso um sentimento, além até mesmo, de uma química, de uma meta-física.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento XI

Palavras... são apenas palavras...
Mas você pode transformá-las
Em lírios... semente... planta
... No campo...

Por Adenildo Lima

Tempo e vento X

Posso não dizer tudo o que eu sinto, mas procuro viver mais do que eu falo.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento IX

O olhar do lobo-guará carrega mais mistérios do que mil páginas escritas.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VIII

Não pergunte se eu amo, talvez se eu for responder perca muito tempo para amar.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VII

Um poema pode até não significar nada pra você, mas o mesmo poema pode ser o melhor de todos para mim.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VI

Atravessar o mar vermelho a nado pode ser mais fácil do que explicar os enigmas da vida.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento V

Um caminho sempre terá duas saídas, a escolha é sua.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento IV

Quando não escrevo demais, é pelo simples fato do sentimento ser mais forte.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento III

Uma tempestade pode durar um segundo, mas o que ela causa pode ser eterna em sua vida.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento II

As palavras são como flores, também têm espinhos.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento I

Não existe tempo, existe apenas o conceito de um determinado momento diante das coisas vividas.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas V

- Quanto vale um real?
- Ah, depende da necessidade de cada um.
- De cada um real ou de cada pessoa?
- Se real é real no bolso do pobre, você deve saber.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas IV

Alguém falou que Vinícius é triste e infeliz por não tá namorando.

- Ser feliz é ter uma namorada...? - felicidade é coisa pouca mesmo. Acho que vou arrumar uma. Uma namorada ou uma felicdiade? Putz, minha amiga deve tá infeliz, deixou o esposo por não aguentar tanta infelicidade.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas III

O rapaz falou que amava.

- Ama quem: a menina ou a beleza dela?

Por Adenildo Lima

Textos e piadas II

Uma amiga me falou que acredita no amor.

- Mas qual amor: aquele do rapaz pobre trabalhador, ou aquele do rapaz do carrão?

Mas se alguém tiver mais alguma piada sobre o amor pode contar.


Por Adenildo Lima

Textos e piadas I

Um amigo me falou que a escravidão no Brasil acabou há tempos.

- Amigo, você não tem outra piada pra me contar?

Acho que o meu amigo até teria, mas preferiu deixar pra você responder.

Por Adenildo Lima

sábado, 20 de setembro de 2008

A prostituta X Capitalista

Karl Marx fala que o capitalista é igual a uma prostituta. Eu acrescento: uma prostituta sem alma. Não estou aqui para fazer a defesa da mulher que tem como profissão o uso do seu corpo, e muito menos, para dizer que o capitalista é um ser humano querendo apenas ser feliz. Na verdade não estou para falar nada, estou apenas para mostrar o meu ponto de vista diante da visão capitalista.

Primeiro, quero dizer que, moramos numa sociedade inteiramente individualista, e o individualismo é o reflexo vivo da luta por um determinado dinheiro. Dinheiro, o qual, mata pai, mãe; família. Quando alguém perde a única coisa importante que o humano deve preservar: a essência humana. Altomaticamente passa a ser uma máquina, uma máquina controlada pelo sistema, uma máquina sem voz, sem ideais; uma máquina apenas.

A prostituta embeleza o seu corpo, gasta fortuna para deixá-lo mais bonito, afinal, ele é a sua empresa, onde ela ganha seu dinheiro para sobreviver, viver talvez. Mas, muitas delas, quando deitam em suas camas, choram; ao contrário do capitalista que não dorme pensando em ganhar mais dinheiro.

O dinheiro podia ser algo muito bom. Hoje, conversando com uma professora aposentada, ela me falava: se o dinheiro fosse social seria uma maravilha, mas ele é selvagem, nas mãos de selvagens que se dizem humanos - Ela falou mais ou menos isso, na essência do tema foi isso. E eu concordei com ela.

Não critico o homem que trabalha, que busca até mesmo, comprar uma roupa melhor, uma casa... o que eu não concordo é com este modismo, com esta desvalorização, até mesmo do próprio corpo, do caráter, nem se fala. Uma roupa não deve nunca ser o cartão postal de alguém, quando passa a ser, temos meros produtos de vitrines caminhando pelas ruas de uma cidade. E você, é o quê: um ser humano ou um produto caminhando à venda por aí? À venda de que mesmo?

Por Adenildo Lima

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

As palavras têm sabor, experimente-as!

Há um dito popular em nosso país que o povo brasileiro não lê, que não gosta da leitura. Será que isso é verdade?

Eu, na minha inocência, há alguns anos, compartilhava deste pensamento; hoje, não mais. Todo ser humano come alguma coisa para poder se alimentar, todo cidadão nasce com a sede do conhecimento. Uma comida pode ser muito gostosa para milhões de pessoas, mas se eu nunca comi, não posso dizer que gosto, se ninguém nunca me ofereceu, nunca comentou referente, como vou ficar sabendo de sua importância?

Lembro, neste exato momento, que um determinado tempo, uma garota que a qual tínhamos um envolviemento amoroso, me ofereceu peixe cru; comida japonesa. Ao comer, quase que eu vomitava; ela riu. Com o tempo fui me acostumando e, mesmo não gostando, não me é mais estranha.

Em nosso país é necessário um encentivo maior para a leitura, as pessoas precisam sentir o sabor delas, conforme o seu gosto, conforme o seu paladar. E digo, sem medo, todo mundo gosta da leitura, o que precisa é mostrar a cada um a importância que ela tem na vida de cada um.

E é ridículo a imposição, impor a leitura? cruz credo! No período destes dois anos, já tive, aproximadamente, 1000 alunos, e posso falar sem medo: todos gostam da leitura, apreciam quando leio...

Nós, professores, principalmente, precisamos mostrar a todos o sabor que ela tem. No lugar de exigir a leitura do Machado de Assis, primeiro vamos apresentar a importância de sua leitura e do homem que ele foi; no lugar de pedir a um aluno que diga o que o poeta quis dizer, peçamos a eles que façam a sua interpretação.

Precisamos ver a leitura com outros olhos: o olhar do amor.

Por Adenildo Lima

domingo, 14 de setembro de 2008

Imaginem só Serra na Presidência da República

O Professor-PhD, Paulo Jonas de Lima PIVA, que leciona Filosofia, posta em seu blog www.opensadordaaldeia.blogspot.com, uma matéria que fala sobre o governo dos PSDBistas. Confiram comigo:

"Desempregar para atender a lógica do capital é uma das principais práticas do PSDB no poder. Foram milhões os desempregados durante a era FHC e, em São Paulo, durante as gestões de Mário Covas e Geraldo Alckmin. Dando continuidade a essa política anti-social e pró-capital, o governador José Serra, que quer entregar o banco Nossa Caixa para o capital financeiro que patrocina suas campanhas eleitorais, demitiu mais de 1500 trabalhadores deste que poderia, desde que utilizado conforme as necessidades populares, uma das principais alavancas do desenvolvimento econômico paulista. Imaginem só do que será capaz José Serra uma vez na Presidência da República!"


Antes de qualquer coisa, ame-se a si mesmo, para aprender à amar aos outros. Votar em alguém não é apenas pensar em si mesmo, mas em todos; numa nação.


Por Adenildo Lima

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A dor da perda

Falar da perda, não é fácil. Amigo leitor, desculpa por este texto, talvez você queira um texto alegre. Este não é.

Hoje, quando cheguei em casa, tive vontade de chorar, olhei por todos os lugares, e um vazio enorme permanece há quase um ano. As paredes perderam o rosto, eu também perdi um pouco do meu olhar. Algumas vezes, percebo que sou uma pessoa fingida, taciturna. Com a ida do meu ilustre pai, no dia 10 de outubro do ano passado, se foram também muitos amigos, parece que a vida, por um momento (eterno talvez) perde o sentido.

Falo que se foram muitos amigos, pelo motivo de sabermos que as palavras deles também não servem mais, mas ajuda bastante. Mas os meus amigos continuam todos, e mais alguns que já conquistei sua amizade.

É difícil encarar esta dor. Nunca consegui concluir esta cena, como real. Parece que nada aconteceu, parece que a porta um dia vai se abrir, e terei aquele beijo, aquele abraço, aquele eu te amo. Sei que sou forte, muito forte, mas não tão forte assim: e quando choro, mostro que sou forte - para mim, o ser humano forte mostra seus sentimentos.

Eu sei que o amigo leitor, não tem nada a ver com isso, mas quero que saiba que a escrita pra mim, serve pra isso. Desculpa, mas continuo escrevendo: Nunca deixe de dizer para as pessoas que as ama, aquelas pessoas que estão ao seu lado, que faz parte de sua vida, um eu te amo. Acredito que sem sombra de dúvida, não sofro mais, pois sempre falei. E isso me conforta.

A vida é algo breve, não entendo o motivo e a razão de tanta ilusão, ganância, se poderíamos vivermos tão bem em união.

Não sei, mas neste momento uma porta se abre, e eu corro ao encontro do vento que me abraça, e o infinito é tão lindo!

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Um amor além da face

Não te conheço, confesso. Nunca vi o seu rosto, leio apenas suas palavras, suas frases, seus sentimentos; uma visão diferente de enxergar o mundo, mas me sinto apaixonado por você. Sinto um amor além do beijo, além do olhar... é amor, eu sei que é amor, você pode até não acreditar, mas é amor.

Imagino-me, pegando em suas mãos, falando palavras que só o momento vai ser capaz de traduzi-las: o momento, o silêncio... acredita? eu não sei se você é casada, noiva... a única coisa que sei é que eu te amo. É um amor de adolescente? é claro que é, alguém já viu um amor adulto? o amor é criança, não tem maldade, é sincero, se existir algum amor adulto, eu não quero.

Você, ao ler esta declaração de amor, deve pensar que estou louco. Sim, eu estou, mas a minha loucura é breve e simples: é apenas por amor - é um breve eterno, é uma simplicidade rica, é uma loucura lúcida. Todas as declarações de amor são malucas.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Uma mãe e uma criança

"Cinco bom bom por um real".

Este texto começa com esta frase. Mulher jovem, bonita, negra: igual a beleza brasileira; linda!
entrou no trem, segurando uma criança, com uma bolsa na outra mão. Alguns cidadãos rapidamente se levantaram "Pode sentar senhora, por favor". "Não, não... brigado". "Ah, mãe, eu quero". "Calma, filha". "cinco bom bom por apenas um real, quem vai comprar?".

Muitas pessoas sensibilizadas, vendo aquela mãe com uma criança; criança sendo usada para sensibilizar as pessoas; muitos compraram os bom bons. Fiquei olhando aquela mulher bonita. Ela, podia ser uma modelo de qualquer capa de revista, podia ser qualquer profissional: determinada, corajosa.

Tive vontade de ter raiva dela, vendo aquela criança sendo usada, sendo arrastada pelo braço... mas no país em que eu moro, preciso ver a história por todo um raio - X. Quem sou eu pra julgar uma jovem mãe que procura de uma maneira estranha alimentar sua filha?

Tão criança e já faz parte da continuação escravatória da nossa história. É tempo de política, precisamos ver isso com olhos de raio-X.

Por Adenildo Lima

Tirando dúvidas

- O amor, o que é?
- E eu sei lá o que é o amor, deve ser uma ferida nos corações das meninas e dos meninos imaturos.
- Será? quer dizer que você não acredita no amor?
- Mas qual amor?
- Amor... esta palavra basta, você não acha?
- O amor, o amor... sabia que tem momentos em que me pego pensando nesta pergunta, fico me perguntando, perguntando... nunca conseguei uma resposta definitiva através de palavras, acredita?
- Sim, acredito, o amor não é para ser definido com palavras, é para ser vivido.
- Então você acredita que o amor é eterno?
- Depende da sensibilidade de cada um.
- A sensibilidade é uma prova de amor?
- "Só quem ama pode ouvir e entender estrelas".

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

São Paulo: cidade da arte

Como já falei em um dos artigos posto neste blog, São Paulo é realmente a cidade da arte. Vale a pena conferir, deixo o site da cidade que divulga "todos" os eventos culturais da nossa SAMPA.

http://www.sampaonline.com.br/cultura/guiacultural_teatro.php

Bom divertimento!

Por Adenildo Lima

KI TRIO!














Estes três políticos, com seus sorrisos, são iguais uma prostituta sem alma, fazendo tudo para ter o seu voto, a sua confiança, depois, tirar até o leite da boca de seus filhos.É a causa maior para o avanço da destruiçao da nossa educação. Eles, odeiam pobres, são burgueses piores do que porcos no chiqueiro. Se no Brasil, não temos bons políticos, é necessário começar a eliminar os piores, da política. Se acham que eu estou errado, ou você é rico, ou nem sabe o que é política.

Por Adenildo Lima

Abraço ninar

Às vezes me sinto um pássaro sem asas, sem destino para o vôo, sem sentir os lábios beijando o infinito. O infinito é tão próximo, tão presente, mas às vezes não consigo tocá-lo. Tocar o infinito é abraçar o vento e deixar as coisas ruins irem embora.

Por Adenildo Lima


quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Apenas por amor

Ela apagou a lâmpada da sala, deixou apenas a luz do abaju, veio lentamente em minha direção, deixou cair a blusa de frio, exibindo-me os seios pontudos e atraentes. Tentei disfarçar, fiquei meio sem graça; estava diante de uma amiga.

- Quanto tempo esperei por este momento, Júlio.
- Ham...
- Eu sempre fui apaixonada por você. Quem mandou você ser o meu melhor amigo?

Pegou minha mão fortemente, acariciou, senti seu coração bater as batidas da paixão, fiquei sem querer acreditar, mas ela me excitava a cada momento.

- Mariana, você tem certeza disto? você é comprometida...
- Relaxa, Júlio, todos nós temos o direito de lutar por aquilo que queremos. Estou errada?

A paixão foi tomando conta, o prazer foi nos domando e nos amamos como nunca dantes.

Por Adenildo Lima

Restos dos rastos humano

Confesso: Ultimamente, ando meio cansado; não é estresse, é cansaço mesmo. Até gostaria de largar tudo e ir morar num lugar bem deserto. A cada dia que se passa só encontramos pessoas corruptas, individualistas... até parece que elas não vão morrer nunca. Sou inteiramente contra a violência, mas tem pessoas que não deveriam ter nascido. Quando lembramos que é a minoria que domina o mundo, dar uma revolta. E o pior, somos iludidos com uma tal ilusão de liberdade! que a ditadura acabou, que moramos num país democrático. Só na nossa estupidez e ignorância mesmo. Tem ditadura pior do que esta em que vivemos? A liberdade a fala é uma ilusão muito grande. Nós podemos falar?

Por Adenildo Lima

Amigo

- Por que você nunca se junta a gente?
- Você já tem o seu grupo, sou sozinho.
- Mas você é meu amigo.
- HUM... HUM... Você só me procura se eu tiver o que te oferecer, no sentido de dinheiro, você não tem amigo, ainda não parou pra pensar sobre isso?

(Amigo... amigo é o quê?).

Por Adenildo Lima

O sonho e a vida

Quando paramos diante de dificuldades, ficamos perguntando o que fazer e, diante desta mesma pergunta, surgem várias outras. A partir daí, começamos a nos apegar nos sonhos, nas esperanças... e até mesmo na própria ilusão.

Quando sonhamos, podemos ver além do nosso nariz, além das estradas que as pessoas mostram, além do próprio desejo. O sonho, realmente, nos leva para um outro mundo. E este mundo, começa a ser maravilhoso, outras vezes, amargo. Mas, na verdade, nos apegamos nos sonhos, como as crianças se apegam no colo de suas mães: tendo confiança e esperança.

A confiança nos dar força para erguer os pés e caminhar. A esperança alimenta os sonhos. Partindo do ponto lógico deste pensamento: somos meros sonhadores. Mas precisamos sonhar, acreditar, não ter medo de seguir; tudo bem que somos fracos.

Quando em nós vai morrendo os sonhos, começamos a andar rua afora como cadáveres vivos, mas sem forças e, hoje, o sistema político - capitalista em que vivemos é terrível, capaz até de sugar a lágrima de uma criança para tirar dela um real.

Podemos ver tudo isso nos patrões, com seu poder ridículo de superioridade. É tempo de política, vamos votar no menos pior... lembrem-se que, odeio PSDB - este partido é uma destruição da educação.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 2 de setembro de 2008

O ser que chamamos de HUMAMO

O ser, que chamamos de humano, ao ficar frente a frente com ele mesmo, muitas vezes, tem vergonha de olhar a sua face. Seus olhos começam a denunciá-lo, e ele começa a entrar em crise. Ser humano, na minha interpretação, é diferente disso que vejo nas pessoas. Humano quer dizer um ser pensante, um ser que ama, um ser que perdoa, um ser que vive em HUMANidade, que vive em SOCIedade. Mas na verdade, temos um monte de pessoas individualistas, lutando, matando, guerreando... tudo por um pedaço de papel, que na verdade nem existe; dinheiro é abstrato.

O ser que chamamos de humano, tem vergonha ao ficar frente a frente de um mendigo, ele não consegue olhar a sua imagem, ali, abandonada por ele mesmo, no chão, sem família, sem uma cama para dormir, sem um cobertor, sem um copo de água... O ser que chamamos de humano não acredita que é tão mau assim, capaz de deixar a sua imagem e semelhança jogada ao relento do zen.

O que é ser humano? ser humano é isso aí que enxergamos ao olhar no espelho? mas qual espelho? mas, nós já paramos pra refletir sobre isso? o que é ser um ser humano?

Por Adenildo Lima


O fim ou o começo?

- Amor, não chora. Você precisa me entender, nosso relacionamento não pode mais prosseguir, é melhor pararmos por aqui.
- Mas qual o motivo?
- O motivo é simples: nós nos amamos, disso sabemos, sem dúvida, mas o nosso relacionamento amoroso não é mais o mesmo .... e isso não pode nos privar.
- Mas eu te amo tanto! tanto... acho que não vou conseguir viver sem você.
- Precisamos encarar as perdas da vida, é bem melhor terminarmos hoje do que amanhã, ou ficarmos namorando e sermos infelizes para sempre.
- Mais vamos tentar mais uma vez?
- Não.
- Como não?!!!
- Amor, não chora.
- Amor um caralho!! você deve ter outro agora, menininha estrovertida como sempre foste.
- Calma, isso é o melhor para nós. Sou sincera, não sinto mais atração como sentia antes, e se eu continuar assim, vau acabar caindo nos braços de outro mesmo, e antes que isso aconteça é melhor terminarmos.
- Desculpa.
Por Adenildo Lima

tic tac

- TIC
- TAC
- TAC
- TIC
- TAC TIC TIC TAC TAC
- CALMA...
- ELE NÃO ESPERA, COMO NÃO FICAR DESESPERADO?!
- CALMA!!!
- OBSERVA SÓ, COMO ELE ANDA!
- TIC TAC TAC TIC TAC TIC TIC TAC TAC
- NOSSA! CORREU TANTO, NEM PERCEBI, JÁ É NOITE.
- CALMA!
- COMO TER CALMA?!!!
- NÃO SEGUINDO-O, FAZENDO COM QUE ELE TE SIGA.

Por Adenildo Lima

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O fio e a navalha

Uma ponte sempre nos leva de um lado para o outro, fazendo com que possamos atravessar o abismo, um rio; limpo ou poluído. A ponte, na verdade, é uma metáfora, nunca existiu.

Caminhamos sempre num meio-fio, quer seja atravessando a ponte, quer seja dentro de um carro ou até mesmo num avião. A ponte, na verdade, é uma metáfora, nunca existiu.

Quando saio para passear, sempre deixo o meu olhar vendo além do que eu possa enxergar: olho o sorriso da menina que passa, do senhor que chora, da criança que fica nos braços de uma mãe para fazer com que ela ganhe um real. Mas na verdade, tudo isso, nunca existiu, são apenas metáforas.

A navalha que corta a carne crua para depois ser posta na churrasqueira, é a mesma que corta o sorriso da menina que ria felizmente, assim como o meio-fio de uma rua, que a margem, deixa muita gente à margem. Mas tudo isso também, nunca existiu, acho que são meus olhos que estão vendo demais!

E, muitas vezes, acreditar na realidade é descrer dos sonhos de muitas pessoas que estão ao seu lado. Eu gosto de enxergar e tentar desvendar as metáforas!!!

Por Adenildo Lima