sábado, 23 de agosto de 2008

Uma bananeira e um homem

Eu estava sentado na estação do trem, ouvindo uma música e tentando relaxar um pouco, já que o dia tinha sido um pouco estressante. Um senhor sentou ao meu lado, também estava com fones nos ouvidos. Na nossa frente tinha vários pés de bananeiras, de repente o senhor fala "como é interessante a vida deste pé de banana".

Tirei o um fone do ouvido e acrescentei que realmente é muito interessante. Uma bananeira estava com um cacho de bananas e o pé estava quase caindo, mas aquele senhor disse "enquanto não for tirado o cacho de banana o pé não cai e continua vivo, tirou o cacho de banana, ele morre' ... 'interessante, quando eu tinha 18 anos via as coisas tão diferentes, hoje tenho sessenta anos e a minha vez também se aproxima, às vezes, quando paro pra pensar fico triste".

Falei pra ele que a vida realmente é curta, por isso temos que aproveitar. Ele disse "mas aproveitar sem erros, sempre fazendo o certo". Acrescentei que sim, sem dúvida, pois antes de qualquer coisa devemos respeitar a todos de uma mesma maneira, afinal de contas somos todos iguais e, assim como a bananeira, vamos morrer logo que alguns frutos bons ou ruins forem deixados por nós.

Ele tentou explicar alguma coisa da Bíblia, apenas ouvi, o trem chegou, entrei num outro vagão. Naquelas pouca palavras ele me passou tudo aquilo que eu, agora, deixo pra você, caro amigo leitor, refletir um pouco. O trem partiu, a nossa vida continua partindo a cada momento em que erguemos os olhos e conseguimos olhar a todos com o mesmo olhar, o olhar da sensibilidade humana.

O trem partiu, e você o que diz para aquele senhor que sente medo da morte e tenta entendê-la, e filosofa como nem Kant filosofou, com a vida das bananeiras?

Por Adenildo Lima

2 comentários:

marcela disse...

Eu digo não só a ele como a todos! Tudo na vida tem sua essencia. Tudo na vida tem seu início, meio e o fim! Devemos viver bem conosco mesmo e vivendo bem com a gente mesmo viveremos bem com todos, independente dos problemas situações que com certeza saberemos tirar de letra. Viver cada dia como se fosse o último e valorizar todas as belezas desse mundo e olha que são muitas. Pode ser a natureza e pode ser o que tiver que ser. O fim na realidade não existe. Em qualquer outro lugar renasceremos ou continuaremos nossa caminhada.

Rosana disse...

Usamos diversas formas de conhecimentos, experiências e até mesmo de coisas representativas ... como no caso da bananeira e um homem ... para expressarmos o sentimento que todo ser traz dentro de si! O medo, as inseguranças, o inevitável, tudo isso nos traz uma sensação de impotência quanto ao nosso futuro! Mas é também daí que surge a nossa força para seguir sempre em frente ... lutando, acreditando ee dando o melhor de cada um de nós, sem nos preocuparmos com o que o futuro nos reserva e o que o desconhecido poderá nos trazer! O futuro a Deus pertende e assim como ele nos trouxe ao mundo atual que vivemos ele saberá o que fazer quando tivermos que fazer a viagem do sono profundo e talvez "interminável".