domingo, 31 de agosto de 2008

Agradecimentos

O mês de agosto chega ao fim, escrevi textos, neles, desabafei minhas dores e amores, muitas pessoas leram. Agradeço a todos os leitores em geral. Meu muitíssimo obrigado!!!

Bom mês de setembro para todos nós...

Por Adenildo Lima

31/08/08

O que você gostaria de ouvir, ao me fazer uma pergunta: o que eu conheço ou que você espera que eu fale?

Bom FIM de mês!

Por Adenildo Lima

João Alberto

João Alberto estava sentado numa mesa de bar, tomando a sua cerveja, ali, sozinho, olhando as pessoas passando: vindo e indo. Ele olhava para o copo com cerjeva, às vezes, sentia vontade de quebrá-lo, mas ao mesmo tempo dizia que aquilo não era apenas um copo de cerveja, era algo mais importante do que apenas um copo com um líquido dentro. Diante do copo, ele lembrava de milhões de coisas, sentia vontade de chorar, de ri; mas nem ria e nem chorava.

- Mais uma cerveja?
- Por favor.

E bebia, depois de uma hora, ali, sentado, já não estava mais sozinho. Tirou o seu violão da capa e começou a tocar. João Alberto já não era mais uma pessoa apenas, ali, tomando cerjeva: era o moço do violão.

- Toca Raul.

Ele tocava.

- Toca Zé Ramalho.

Ele tocava. Tocava tudo o que pediam.

- Moço, toca a música que você mais ama.

E ele tocu uma música dele.

- Essa nós não conhecemos.
- Mas é a que eu mais amo.

João Alberto, passava a ser o moço do violão, o tocador solitário, sem nada ganhar; mas ele ganhava, e muito! a experiência e a própria arte estão acima das almas vendidas desses nossos artistas da mídia, que são mesmo uma média.

- João Alberto, mais uma cerveja.
- Não, obrigado, preciso dormir.
- Moço, volta mais vezes.

Quem era pra voltar mais vezes, o moço João Alberto ou o tocador?

Por Adenildo Lima



As madrugadas

Gosto das madrugadas, gosto do silêncio dela adentrando minha alma; acho que sou apaixonado pelas madrugadas. Elas são sombrias, às veze; calmas, outras vezes. Amo as madrugadas. Agora mesmo, neste frio, lembrei de você. Você lembra, nossas madrugadas abraçados? Não lembra? tudo bem, então. Eu ainda lembro. Mas não desejo que elas voltem. Caminhar sempre pra frente. Ah, lembro também dos abraços escondidos, nas noites de escolas, quando estudava, hoje, vejo os alunos fazendo isso e penso: aproveitem! Se existe uma outra vida, ninguém nunca voltou para contar. Aproveitem, mas com responsa, beleza? Ah, lembrei também das minhas paixões de adolescente: não dormia a madrugada toda; era duro! mas era bom, eu sonhava, flutuava na imaginação. A paixão é uma coisa louca, né? Às vezes fico pensando nas coisas acontecidas no decorrer da minha vida; sinto saudades, aí, procuro viver mais e mais. A vida é isso: é viver ao máximo que puder, é respeitar, antes de qualquer hipótese, é exigir respeito... Eu amo o ser humano, mas prefiro as crianças, elas mostram que os adultos já não são mais humanos. Ah, sinto saudades também de coisas que agora não lembro.

Por Adenildo Lima

Sim: não

- Você sabia que gosto de você há muito tempo?
- Não.
- Nunca percebeu?
- Não.
- Mas nem desconfiou?
- Não.
- Nunca pensou em me namorar?
- Não.
- Não!!!?
- Não.
- Caramba.... você só sabe falar não?
- Sim.

Por Adenildo Lima

O mito da cegonha

- Vinícius, acaricia minhas mãos.
- Estou cansado, muié.
- Mas estou querendo tanto o seu carinho.
- Mas estou cansado, vamos dormir.
- Por que dormir se podemos ser mais felizes acordados? oh, homens, meus Deus, depois começam a acreditar em papai noel e em milagres da cegonha.
- Muié, boa noite.
- Boa não, né? mas já que queres assim.

Por Adenildo Lima

Libertinagem

Para mim, o corpo da mulher é a obra de arte mais perfeita que a natureza criou. Fico abismado ao olhá-la nua, inteiramente sem roupa, mas vista diante dos meus olhos como a arte que é. E também aos meus olhos masculino.

Ultimamente o assunto LIBERTINAGEM está na "moda". Nestes dois finais de semana assisti duas peças de teatro que relata bem este tema: "Os 120 dias de Sodoma' e ' A filosofia na alcova". São duas peças excelentes, gostei muito. A primeira, citada por mim, é muito crítica, os atores se apresentam muito bem; a segunda, é bem interessante, mas prefiro "Os 120 dias de Sodoma".

O que é importante destas peças é a valorização do corpo. No começo, é possível que o telespectador tenha a curiosidade de ficar de cara com o corpo nu de uma mulher ou de um homem, mas com o decorrer da apresentação, a arte vai tomando conta e os corpos dos atores /atrizes vão sendo admirados como as verdadeiras obras de Arte ali presentes.

Eu, valorizo muito e tenho muito respeito pelo corpo, assim, como tenho respeito, pelo conhecimento do próprio corpo. É citado nas peças o tema referente a masturbação e, como a prórpia ciência explica "é importante que a mulher se conheça antes mesmo de se entregar ao sexo" (não cito o homem, pois este assunto sempre foi mais aberto ao homem e é até "normal"), mas para a mulher o assunto masturbação ainda é um "tabu".

Também é tratado nas peças o assunto referente ao ateísmo. O ateísmo é um tema muito difícil de ser trabalhado com a sociedade, mesmo estando em pleno século XXI, as pessoas ainda são muito firmes em determinadas religiões e crenças (eu, por exemplo, só acredito mesmo no amor - rs). Mas o que a arte tenta passar para o telespectador é que cada cidadão seja mais crítico diante de tudo o que nos oferecem. Por que acreditar apenas? Por que não questionar?

São Paulo é uma cidade maravilhosa - referindo-me à arte. Temos de tudo o que procuramos, basta apenas que não fiquemos em casa. No domingo passado, assisti uma excelente peça lá na FUNARTE, "Os possessos" dirigida pelo Abujamra. E hoje, sábado 30/08/08 assisti outra excelente peça lá no SESI - na Paulista.

Vamos sair de nossas casas, vamos ao Teatro, vamos deixar de assistir só aqueles filmes da mídia.

Endereços:

Espaços dos Satyros

Praça Roosevelt, 134
Tel: 3258-6345
site: www.satyros.com.br

Avenida Paulista, 1313
Tel: 3146-7405
Site: www.sesisp.org.br

Aos interessados, peço que façam mais pesquisas, tem muito mais em São Paulo!

Por Adenildo Lima

O poeta e o pedreiro

O poeta. O que é o poeta?

Comparo o poeta a um pedreiro, talvez muitas pessoas não concordem com esta minha comparação, mas, afinal é louvável que os leitores deste blog sejam críticos, auto-críticos; assim ficarei mais feliz.

O pedreiro constroe as grandes mansões com suor e muita luta, ao ficarem prontas os ricos tomam posse; depois, muitos deles nem permitem que o mesmo pedreiro que fez aquele belo castelo, pise em sua calçada.

E o poeta o que tem haver com o pedreiro? Ele constroe seu poema com suor e amor, depois, os estudiosos se apossam dele e muitos nem lembram que o poeta existiu. Julga a poesia, estuda cada verso do poema, se sentem dono, mas nunca desvendará os mistérios das palavras postas ali.

Assim como o pedreiro, os moradores conhecem cada espaço de suas casas, mas nunca irão desvendar os enigmas de cada tijolo posto naquela construção para fazer aquela casa.

O verdadeiro poeta é simples e humilde, o pedreiro também. Só aos humildes é louvável os mistérios e enigmas da arte.

Por Adenildo Lima


quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Conhecer cada chão que pisamos

O que significa a cor no corpo de alguém?

Esta é uma pergunta que leva a uma longa estrada, um processo civilizatório além do que muitos possam imaginar. A civilização é o momento onde o ser que se diz humano foi ao ridículo dos ridículos. O pensamento de superioridade, o tratar o outro pela cor, pela roupa, pelo lugar onde nasceu...

É uma pergunta difícil para ser respondida.

Em pleno século XXI, o negro ainda sofre diante do pensamento de superioridade por parte da ELITE, a ignorância e a estupidez humana é a prova mais concreta do que o ser humano é: esse saco de carne com ossos podre, caminhando como cadáveres vivos e, fedendo mais do que as fezes dos animais de uma floresta.

O Brasil precisa conhecer a sua história; quando falo Brasil, refiro-me ao povo brasileiro. A nossa história é escondida até aos dias de hoje. Temos uma mídia que é mesmo uma média, criada e formada para manipular a sociedade. Qual jornal vamos assistir? Difícil encontrar um jornal sério; quando falo sério, refiro-me a uma mídia voltada para a sociedade.

A palavra Democracia é a máscara mais perfeita que os poderosos encontraram para nos escravizar. Vivemos numa ditadura silenciosa, podemos falar? Um pobre no Brasil pode lutar por seus direitos? Não, não pode, todos nós sabemos disso, mas não podemos calar. A saúde é construída por um sistema político onde o menos favorecido, nos bairros pobres das grandes cidades, serve como COBAIAS para os estudos dos filhos dos empresários, dos políticos...

O que significa a cor no corpo de alguém?

Não deixarei uma resposta com palavras neste texto, mas convido cada cidadão que pense sobre isso, reflita. Eu, por exemplo, não tenho cor, tenho alma e a minha alma é transparente. Se eu tivesse cor, acredito que seria tão infeliz e lutaria a ferro e fogo com este olhar que tenho. É preciso ter alma; não falo alma de religião, por favor, te respeito por ter sua crença, mas também te convido a conhecer melhor a história das religiões no mundo.

O que significa a cor no corpo de alguém...

Por: Adenildo Lima

sábado, 23 de agosto de 2008

O que dizer mais?

Agora, tudo o que eu mais quero é dizer que te amo. O que dizer mais?

Por Adenildo Lima

O homem diante de sua estupidez

A correria da vida nos estressa, disto não temos dúvidas. Muitas vezes no trabalho, perdemos o controle, falamos sem usar a razão, eu procuro sempre me controlar, mas tem determinadas situações que se torna quase impossível.

Mas precisamos ter calma, muitas vezes a experiência em um trabalho vale mais do que a estupidez de uma administração de determinados setores.

Por Adenildo Lima

Os tempos modernos e a mãe

- Vai, deita ao meu lado, eu preciso tanto de você.
- Não posso, filho, tenho que ir trabalhar, o ônibus já se aproxima.
- Mãe, mas eu quero mais seu amor, não me deixa com os outros.
- Filho, não posso, tenho que trabalhar, o tempo passa.
- Mãe, mas você promete que nunca vai me abandonar?

Por Adenildo Lima

Uma bananeira e um homem

Eu estava sentado na estação do trem, ouvindo uma música e tentando relaxar um pouco, já que o dia tinha sido um pouco estressante. Um senhor sentou ao meu lado, também estava com fones nos ouvidos. Na nossa frente tinha vários pés de bananeiras, de repente o senhor fala "como é interessante a vida deste pé de banana".

Tirei o um fone do ouvido e acrescentei que realmente é muito interessante. Uma bananeira estava com um cacho de bananas e o pé estava quase caindo, mas aquele senhor disse "enquanto não for tirado o cacho de banana o pé não cai e continua vivo, tirou o cacho de banana, ele morre' ... 'interessante, quando eu tinha 18 anos via as coisas tão diferentes, hoje tenho sessenta anos e a minha vez também se aproxima, às vezes, quando paro pra pensar fico triste".

Falei pra ele que a vida realmente é curta, por isso temos que aproveitar. Ele disse "mas aproveitar sem erros, sempre fazendo o certo". Acrescentei que sim, sem dúvida, pois antes de qualquer coisa devemos respeitar a todos de uma mesma maneira, afinal de contas somos todos iguais e, assim como a bananeira, vamos morrer logo que alguns frutos bons ou ruins forem deixados por nós.

Ele tentou explicar alguma coisa da Bíblia, apenas ouvi, o trem chegou, entrei num outro vagão. Naquelas pouca palavras ele me passou tudo aquilo que eu, agora, deixo pra você, caro amigo leitor, refletir um pouco. O trem partiu, a nossa vida continua partindo a cada momento em que erguemos os olhos e conseguimos olhar a todos com o mesmo olhar, o olhar da sensibilidade humana.

O trem partiu, e você o que diz para aquele senhor que sente medo da morte e tenta entendê-la, e filosofa como nem Kant filosofou, com a vida das bananeiras?

Por Adenildo Lima

Ele quer apenas conversar

Sentados à mesa, ela olha dentro dos seus olhos, mas ele não queria olhá-la, queria apenas conversar. E conversam. Ela o deseja nos bater dos lábios, ele faz de conta que tudo aquilo é apenas uma conversa. Ela o admira por sua maneira forte na expressão dos gestos, na maneira firme de falar diante dos assuntos. Ela se excita diante dele e demonstra a sua excitação desejosa no olhar, mas ele quer apenas conversar.

Ele nunca existiu, mas passa a existir ao falar, a fala é o cartão postal do ser humano, através dela é possível confessar quem somos, donde viemos, onde moramos e um pouco do que sonhamos. Ela escuta a música, aquele som suave entra nos seus ouvidos e a deixa mais apaixonada. Ela tenta pegar em suas mãos, mas ele quer apenas conversar.

Ele quer apenas conversar, já que o cartão postal do ser humano é a fala, deixa o se entregar aos desejos do tempo pra depois.

Por Adenildo Lima

O início de tudo

- Lúcia, eu só quero um beijo.
- Vinícius, não posso.
- Um beijo apenas, é tudo o que eu quero.
- Você não sabe o quanto significa um beijo, se soubesse, não me pediria.
- Um beijo apenas é tudo o que eu quero para me sentir apenas uma pessoa, ao estarmos juntos.
- Não posso,Vinícius.
- Um beijo apenas era tudo o que eu queria, afinal o beijo é o início, nada se começa sem ele. O beijo, para mim, é o mais importante.

Por Adenildo Lima

sábado, 16 de agosto de 2008

O capitalismo

Vamos partir do pressuposto de que "todo o ser humano" é capitalista. Se moramos num mundo onde a luta mais intensa é a busca do dinheiro, se dar ao fato da humanindade ser individualista.

O individualismo é o retrato principal da nossa gente, dos nossos povos modernos, pós-modernos, contemporâneos. Precisamos ser sinceros e realistas diante da situação; não estou falando de um povo realista no sentido literário - calma aí! estou falando do realismo cara-a-cara: o homem diante do próprio homem.

Qual a identidade que o jovem tem hoje? é ir ao chopping e comprar uma roupa da hora, bem louca? Isso não é identidade, é status e isso é um vazio muito grande, capaz até de fazer com que os adolescentes se fechem dentro de suas casas se, ao contrário, não se sentirem bem com determinadas roupas.

O capitalismo é forte, tem um poder como nenhuma guerra no mundo teve até aos dias de hoje. Tudo é feito na intensão do dinheiro, na intensão de ter um carro melhor, um visual melhor e, não podemos esquecer que esse é o tempo em que o mundo nunca teve tanto dinheiro como tem hoje; dinheiro o suficiente para fazer com que a humanidade toda viva bem: com casa, emprego, saúde, estudos e, o principal, uma família.

Diante de toda esta sengação, o sengar o mais pobre e deixar o rico mais rico, a única coisa que podemos fazer é sermos nós mesmos; só espero que você também não seja mais um individualista que só pensa em você. O mundo não vai mudar, mas sua sala de aula, sua empresa, seu setor de trabalho - tudo isso pode mudar, só depende de cada um.

Por Adenildo Lima

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

A busca do conhecimento

- Professor, o que significa a palavra transar?
- Por que essa pergunta, Lílian?
- Ah, eu ouvi meus pais falando.
- Tudo bem então - transar significa um envolvimento de dois seres.
- Será que isso é verdade? - A menina Lílian, de 7 anos apenas, ficou se perguntando.

Por Adenildo Lima

A menina e o pássaro

- Júlia, o que você tanto olha?
- O beija-flor.
- O beija-flor?!
- Sim. Queria ser assim igual a ele: beijar a flor para fugir da dor.

Por Adenildo Lima

Um desejo e uma aliança

- O que é isso em seu dedo?
- Uma aliança, oh.
- Apenas uma aliança?
- O que você acha?
- Não sei, nunca coloquei isso no dedo. Mas se for apenas uma aliança não será difícil para eu tirar, né?
- Será?

Por Adenildo Lima

20ª Bienal do livro /SP

No dia 14, deste mesmo mês, foi dada a abertura da 20ª Bienal internacional do livro de São Paulo "Uma atividade cultural a cada 3 minutos, mais de 4 mil lançamentos, 2 milhões de livros à venda".
Fica aberta das 10 às 22 horas até ao dia 24, deste mesmo mês (agosto/2008).

Público geral R$ 10,00
Estudante R$ 5,00
(mediante comprovação)
Idosos 60 a 64 anos R$ 5,00
(mediante comprovação)



Parque de Exposições Anhembi

Av. Olavo Fontoura, 1209
Santana - CEP: 02012-021
São Paulo - SP – Brasil

http://www.bienaldolivrosp.com.br/2008/codigo/home.asp?resolucao=1152

Esta é a dica Cultural. Ler é o melhor caminho para chegarmos mais rápido em algum lugar.

Por Adenildo Lima


O teatro mágico

A vida, a poesia, a arte, os sonhos tudo são mágicos quando temos amor ao que fazemos. O teatro mágico é um estilo musical bem interessante, um jeito novo de cantar, encantar - uma maneira de interpretar poemas cantando. É legal, para quem gosta de observar os estilos musicais, vale conferir:"Concebido em 2003 com o sugestivo nome "O Teatro Mágico: Entrada para Raros" (nome inspirado no best seller "O Lobo da Estepe" do autor alemão Hermann Hesse), o primeiro trabalho de Fernando Anitelli como artista solo prima pela mistura de ritmos e estilos. Depois de algumas apresentações, "O Teatro Mágico" deixa de ser "apenas" o nome do CD e passa a denominar a companhia artística criada por Anitelli que, junto de seus companheiros, escreve seu nome na história da música popular brasileira com o sucesso independente de gravadoras ou mídias de massa". http://www.oteatromagico.mus.br
É isso aí, amanhã é sábado, preciso BADOSÁ um pouco. Esta é a dica musical. A vida merece um pouco de risos - rs!

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Sem nenhuma inspiração

Puta - merda, tá difícil. Estou sem inspiração nenhuma pra escrever. Já tentei dois textos e nada. Quando estou quase no final, deleto, espero que não aconteça com este.

O primeiro texto era uma linda história, de uma personagem de nome Marcela, que tinha escrito o seu primeiro poema, que se apresentou num evento e tinha sido aplaudidíssima. E a história foi desenrolando... mas quando estava quase no final pensei: Marcela. Quem é Marcela? Pensei em levá-la a um passeio e, quando fôssemos atravessando uma grande ponte, o seu único poema, sem nenhuma cópia, fosse levada para as águas. Aí, viria o desespero dela. Não fiz isso. Deletei. Talvez um dia eu escreva esta história, mas hoje realmente estou sem inspiração.

O segundo texto era sobre Karl Marx. Comecei perguntando pra que ler Marx? Na verdade, não consegui uma resposta concreta, fiquei meio revoltado diante de vários leitores que o leu, mas que são mais filhos da puta do que qualquer um cidadão que, automaticamente se declara capitalista. É incrível, como pode ler Marx e se tornar inteiramente adoradores do dinheiro? Será que é pelo motivo de um dos livros mais importante dele, é o que fala sobre o CAPITAL? Talvez seja, as pessoas entendem tudo conforme a sua consciência. É, em um outro momento escrevo alguma coisa sobre ELE. Hoje não, estou inteiramente sem inspiração.

Escrever é isso, é difícil, precisa de alguma coisa para poder se concluir um texto.

Por Adenildo Lima



segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Desculpa os nossos desencontros

Desculpa nossos desencontros. Eu sei que você nunca percebeu, mas quando eu te olhava era diferente. Até fiquei triste por não conseguir demonstrar meus sentimentos através dos meus olhos. Não vou dizer que era amor, mas era um sentimento tão gostoso. Será que você percebia?

Hoje, te vejo caminhando para o altar, fico feliz por você, mas dói tanto dentro de mim, talvez eu nem quisesse tanta coisa, um beijo talvez, um abraço talvez, sentir nossos corpos tavez... o amor de uma eternidade. Não sei, mas sinto a falta de não ter te falado.

Eu sabia que você era comprometida, mas qual era a minha culpa por te amar? Desculpa nossos desencontros, o tempo não espera ninguém, e eu te esperei tanto. Teus olhos eram tão fortes quando me olhavam. Desculpa a insensatez, talvez você também gostasse de mim. Será que realmente você ama esse teu futuro esposo?

Olhar seus pés subindo ao altar, é difícil, eu concordo comigo mesmo. Antes de entrar na igreja, você me olhou com um sorriso tão distante. Tive vontande de chorar, tantas vezes te tive ao meu lado, mas agora tão distante. Mas nós não somos culpados, culpado é o meu coração por ter se apaixonado por você. Você, garota comprometida, mas não tenho culpa por gostar tanto de você.

Talvez a culpa seja da nossa amizade tão íntima, mas eu gostaria de continuar sendo seu amigo, seu meta-amigo, gostaria tanto de poder ver seus olhos fechar e os meus lábios encostando nos seus, pelo o menos por uma vez, e aquele momento seria eterno. Desculpa os nossos desencontros.

Por Adenildo Lima

domingo, 10 de agosto de 2008

Fim de semana

Neste final de semana não saí. Ontem (sábado - 09/08/08/), fui ao centro da cidade, com o amigo e poeta Márcio Ahimsa, comprei um livro. Belo livro: O povo brasileiro, de Darcy Ribeiro. À noite fiquei em casa, não saí para badosá. Fiquei lendo, assistindo belos filmes, com a família.

Agora é domingo, justamente 23h49m. Não saí, fiquei em casa o dia todo, estou com dor em um pé. Fiquei com a minha mãe e irmãos. Falaram que era dia dos pais, não dei muita importância, apenas ri, um riso meio perdido. Me desejaram que este dia fosse bom, não disse nada, apenas ri.

A minha vida é simples, não tem muita coisa para comemorar - tantas crianças abandonadas, tantas famílias desestruturadas, tantos jovens sem objetivos... comemorar o que, né?

Comemorar a lágrima no olhar de uma mãe? não tem prova de amor maior do que esta. A lágrima nos olhos de uma mãe.

Eu comemoro a minha família. E você?

Todos os meus finais de semana são tão felizes...

Por Adenildo Lima

A vida e a borboleta

A vida é uma viagem louca e sonhadora. Quanto mais tentamos desvendar seus mistérios, mais enigmas são postos na nossa caminhada. Desvendá-los, é uma batalha árdua e difícil, mas difícil mesmo é ficar diante de borboletas que vivem apenas 24h.

São apenas 24h de vida que tem uma borboleta, segundo alguns estudos, mas ela voa o mais alto que pode, abraça o infinito, não faz guerra... A borboleta talvez viva mais do que nós.

Muitos, vivem um segundo com se fosse a eternidade.
Outros, vivem um minuto como se fosse uma vida.
Já outros, vivem tanto e nem percebem as maravilhas da vida.

Nada melhor, ao meu entendimento, para compreender a vida do que, vivendo-a bem.

Por Adenildo Lima

Universidade

O mundo acadêmico é uma prisão, que discordem os mais padronizados, afinal de padrão não tenho nada, e tenho medo de intelectuais. Ser intelectual é um perigo muito grande: FHC, SERRA, BUSH... Eu tenho medo de intelectuais.

As universidades podiam ser diferentes, mas acabam sendo um mundo fechado, voltado, na maioria das vezes, para repetir o que muitos já falaram. É necessário fazer com que o estudante pense, reflita, debata com seu professor (caso, não concorde com algum tema comentado). O aluno não pode apenas admirar os famosos INTELECTUAIS (ser intelectual é perigoso), precisa transformar o pensamento de muitos deles em seu próprio pensamento. Repetir, até o papagaio faz isso.

A USP, por exemplo. Aquilo é uma prisão. A maioria dos professores cola no rosto o título de PHD-DOUTOR. (essas coisas) e esquecem de dividir o conhecimento, aí, deixa disponível na internet - legal! rs.

Muitos estudantes entram lá com o pensamento de Che guevara e saiem com o pensamento de Fernando Henrique Cardoso. Que mudaça, melhor seria nunca tivesse estudado. rs!

Ah, se esses INTELECTUAIS tivessem o pensamento de uma CORA CORALINA.

Por Adenildo Lima

A menina em pleno século XXI

- Menina, o que você tanta pinta nesse rosto já belo?
- Não sei, pinto a beleza.
- Pintar a beleza, por quê?
- Não sei, só quero me divertir.
- Mas você com tanta maquilagem parece outra pessoa.
- Ah, preciso acompanhar à moda. Estamos em pleno século XXI.
- Mas o que é a moda para você, menina?
- Não sei, só quero ser admirada.
- Admirada por quem?
- Não sei, talvez pelo primeiro que eu gostar.
- Você não se sente mal, andando por aí, sendo observada apenas pela maquilagem?
- Ah, desencana, só quero me divertir.
- Tudo bem, você tem todo direito, mas qual é mesmo o seu nome?

Por Adenildo Lima

O silêncio barulhento

O silêncio, o que é?

Não sei o que é o silêncio, só sei que ele dentro de mim é muito barulhento,e grita, e fala, e me faz pensar, penso coisas através dele que muitas vezes até o próprio deserto se torna num lugar estrondoso.

Ficar diante de muitas coisas sem poder falar, este silêncio me atormenta muito. Bom é ouvir o silêncio barulhento, mas calmo, das águas: das águas do mar, das cachoeiras; difícil é o silêncio da água que desce face abaixo, lavando não sei o quê.

Gosto do silêncio encontrado nos poemas; a poesia é uma aldeia cheia de enigmas e com uma casa no meio pensando nas madrugadas mais solitárias. As casas pensam, quem disse que não?

Ah, eu gostaria de ter amado mais, de ter chorado mais, de ter pensado mais, de ter rido mais... Gostaria de ter feito tantas coisas mais, mas você não estava lá.

Mas o que eu gostaria mesmo era de poder abraçar o silêncio barulhento das almas humanas. Almas existem, e você pode encontrá-las nos olhares mais simples das pessoas que você nunca parou para observar.

Por Adenildo Lima

Dia dos pais

Como qualquer outra data comemorativa, o dia dos pais é um grande meio para os comércios ganharem dinheiro. Não sou contra a quem presenteia seu pai, ao contrário, até o admiro.

Eu, nunca comemorei essas datas, um dia no ano para dizer ao pai, ou a mãe que os ama, é muito pouco. Na verdade, um ano é muito pouco para demonstrarmos o amor por pessoas tão especiais como nossos pais.

Não precisa esperar um ano para olhar nos olhos deles e dizer "Te amo!" faça isto todos os dias. Não fique triste se não tiver dinheiro para comprar um presente, presente nunca vai dizer nada se antes não tiver amor. Não seja igual a todos, seja o filho do seu pai, ou o pai do seu filho, isso basta!

Por Adenildo Lima

Mestrado da vida

Mestrado da vida é um vídeo interessante, tem 11 minutos de duração e trata do meio, do meio social. Neste documentário, tiro a mensagem que ele passa. Que você também possa tirar isso. Assista, eu acredito que seja de grande importância pra você, assim com é pra mim. Bom Vídeo!

Acesse este link:

http://www.youtube.com/watch?v=yf1KAR-5fJs

Por Adenildo Lima

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Não sei, mas não posso

- Vinícius, ainda não é o momento.
- Por que não, Júlia?
- Não sei, nos conhecemos há tão pouco tempo.
- Mas eu te quero tanto.
- Eu também, mas não posso.
- O que te impede, Júlia?!
- Não sei, quero algo mais romântico. É a minha primeira vez, sabia?
- Sim, eu sei, por isso queria que fosse comigo.
- Mas eu quero que seja noutro lugar, num lugar especial.
- Você não me ama?
- Amo! amo! e muito, mas não posso.
- Você devia saber que quando o corpo quer a alma entende.
- Será?
- Também não sei, mas só quero que saibas que para o amor não existe lugar. O verdadeiro amor brota até das pedras.
- Sim, eu sei disso,Vinícius, mas não posso.
- Você ama outra pessoa?
- Se o amor é compreensível, você vai me entender.
Por Adenildo Lima

Amiga ou meta-amiga?

A amizade entre um homem e uma mulher tem tudo para caminhar longamente, longamente para novos mundos, para novos amores. Sim, existem amizades, apenas amizades, concordo plenamente, eu mesmo tenho amigas; amigas apenas.

Mas quando dois amigos se abraçam, andam de mãos dadas... é possível perceber uma física além da física, talvez a metafísica: meta-amigos. Mas o que leva um amigo a se apaixonar pelo outro? a resposta é fácil.

Nós, seres humanos, gostamos das pessoas quando nos identificamos com elas. Um amigo é a pessoa mais próxima d'agente. Oferece seu ombro amigo, pega as nossas dores e sofre junto, aconselha-nos, nos entende. Onde vamos encontrar um namoro com todas estas características? Só nos Lábios adocecados de uma bela amizade.

Um relacionamento, para vigorar, é preciso antes de tudo o respeito, a compreensão... não deixe, caros amigos, a rotina domar o espaço romântico e aconchegante de um casal de namorados. Ah, como eu gostaria de contar estrelas, só quem ama pode contar estrelas e saber a importância que elas tem. Mas eu amo, e muito! Por isso sei contar estrelas. E sei também que contar estrelas é muito pouco para descobrir o amor.

Por Adenildo Lima

O silêncio e as palavras

Se você não tem nada para dizer a outra pessoa, então não diga, olhe dentro dos olhos dela e mostre confiança; isso basta!

Por Adenildo Lima

Apenas um telefonema

Vinícius, hoje à tarde, pegou o aparelho de celular, olhou a agenda e viu o nome de sua madrinha de formatura da 4ª série. Ligou. "Quem é"? - É o Vinícius. Nossa! quando ela ouviu o nome dele ficou tão feliz, tão feliz.

Isso depois de uns três anos. Por que tanto tempo para falar com quem se ama? Brigas bestas, fazem parte da vida. O grito de alegria mostrou que o amor é mais forte. Orgulho é o fim de um começo que devia ter começado tão bem.

Por Adenildo Lima

O era e o ser

O que eu era, não sou mais: eu era o seu namorado, hoje seu amigo; eu era o seu vizino, hoje o seu amante; eu era um estranho; hoje pai dos nossos filhos; eu era garçom, hoje professor - no final da história, você também é tudo o que era e não é nada do que era. Hoje, somos apenas isso: tudo o que éramos, tudo o que somos e tudo o que seremos. Somos a nossa história.

Por Adenildo Lima

A pressa e o amigo

- Vinícius, pra onde vai com tanta pressa?
- Vou à procura do meu amigo, ontem eu corri tanto que esqueci de lhe dizer "Um eu te amo".
- Mas você acredita que vai encontrá-lo?
- Talvez não, mas um amigo é parte integrante de nós, não podemos deixá-lo ir embora, precisamos sempre ter um tempo, um segundo vale mais do que uma hora diante do olhar de uma pessoa que você sabe que te ama.
- Sim, concordo.
- Mas qual foi o motivo que te fez não dizer que o amava ontem?
- Infelizmente, nós sempre esperamos pelo o amanhã, mas se o amanhã não chegar? Um amigo vale mais do que um transporte que passa.
- Mas como você sabe que ele é seu amigo?
- Talvez eu também não saiba, mas os grandes amigos, muitas vezes deixamos ir pela falta de um abraço.
- Vinícius, mas você, conversando comigo já perdeu bastante tempo para encontrar o seu amigo.
- Não, não perdi, acabei de ganhar um amigo, a pressa deve existir no seu devido momento, neste momento eu precisava te ouvir para não acontecer o que aconteceu ontem.
Por Adenildo Lima

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Ser professor

O professor é o profissional que, diante de cinquenta alunos (numa sala de aula nas escolas estaduais/sp) tem uma responsabilidade muito grande; ele é um intermediador, entre o sistema mal posto e entre a educação mal direcionada.

Ser professor não é fácil, os adolescentes estão sem objetivos de vida, não sabem para que concluir o Ensino Médio. É culpa deles? não necessariamente, é culpa de um sistema político imposto e posto para nós brasileiros. No Brasil, não tem um programa voltado para a Educação, têm políticos usando a educação para ganhar seus milhões de votos.

Educar é além de apenas por umas palavras na lousa, é necessário amar esta profissão, é necessário mostrar para os alunos que em seus olhos estão saindo bem mais do que apenas palavras. O professor, não precisa ser um chefe, muitos chefes são bravos, autoritários; o professor não precisa disso - precisa mostrar para o aluno que quer apenas o respeito, da mesma maneira que o respeita.

O professor não precisa dizer ao aluno "eu sou professor"! o aluno sabe disso. Por que não dizer apenas: tenho um grande objetivo aqui com vocês - transformar essas palavras que estão neste livro em parte integrante de cada um - o conhecimento.

O conhecimento quando começa a fazer parte de nós mesmos, a aula deixa de ser apenas uma aula, passa a ser uma divisão, uma troca do mesmo. O Educador aprende muito com cada aluno, cada sala de aula é diferente, mesmo que trabalhe o mesmo assunto. Ser professor é uma das profissões que merece muito respeito, não que mereça mais do que uma outra, não! não! sem desigualdade; mas o meu pai um dia disse: “Ser professor é ser pai e educar o adolescente, neste mundo contemporâneo tão conturbado, a ser alguém na vida”.

Se o professor para o aluno for um por cento do que o meu pai foi para mim - tenham certeza: a educação tem tudo para um grande passo.
Por Adenildo Lima

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Agradecimentos

Quero agradecer a todos os visitantes que tiram um um minutinho para ler os meus escritos. Este BLOG é um espaço, em que, procuro, na maioria das vezes falar aquilo que muitos não ouvirão, se formos conversar. Também é um espaço onde deixo minhas dores, meus amores em palavras.
Agradeço de todo coração, a todos que dividem comigo este espaço! Obrigado!

Por Adenildo Lima