quinta-feira, 1 de maio de 2008

O ato de escrever

Escrever é um ato muito solitário. Precisa de muita atenção para se fazer uma frase. Cada palavra é uma partícula da sensibilidade do escritor. Eu costumo dizer que não escrevo, apenas procuro nas palavras uma expressão para dizer o que não consigo explicar falando. Quando termino de escrever me calo. Me vejo mudo, mas escuto alguns trovões zunindo ao meu ouvido. São pessoas dizendo alguma coisa que eu também não sei.

As pessoas, às vezes, confundem meus textos comigo, e eu falo que eles são meus filhos que deixo perdidos por aí. Alguns riem, outros pedem que eu explique o que o poema quer dizer. E eu falo que ele quer dizer tudo o que ele entendeu. Se ele nada entendeu, o poema não quer dizer nada. O texto tem sua vida própria, assim como nós. Tentar explicar o que se escreve é confessar com a própria boca que o que foi escrito não significa nada.

Sim. Têm pessoas que escrevem para atingir o valor mais alto em dinheiro. Transformam as palavras em meros produtos de consumo. Não sei o que dizer diante desta situação. O que eu escrevo, eu mesmo vejo que não vale um real. Muitas vezes quando releio meus textos consigo até enxergar a lágrima de uma criança procurando a mãe. Quanto vale isso? Se um real é muito pouco, um milhão também não paga. Disso tenho certeza.

Escrever é um ato de coragem. Confesso. Captar as essências perdidas além do que os olhos conseguem enxergar, é difícil. Escrever é uma transa sentimental além de um simples orgasmo. É parar, é pensar, é apagar, é reescrever... E não ter medo do que vão dizer. O que as pessoas falam é necessário respeitar. Escrever, eu acho que é ser livre para expressar o que pensamos ou o que queremos dizer e não conseguimos.

A expressão da escrita é um ato de liberdade de cada cidadão. Não consigo entender o motivo de ainda seguirem regras para fazer uma redação. Tenho quase certeza, é por isso que se torna tão difícil escrever num vestibular. Seria tão fácil o aluno escrever o seu texto. Todo mundo sabe que um texto precisa de começo, de meio e de fim. Escrever é um ato difícil, mas o que é difícil mesmo é escrever como querem e não como devíamos escrever. Lembro que a minha primeira redação no primeiro ano do primário, ao entregá-la, a professora disse que era um belo poema.

Na verdade eu nem sabia o que era poesia, como não sei até hoje. Mas ao lembrar deste fato tiro uma conclusão de que escrever é apenas escrever, se preocupar pra que?

Por: Adenildo Lima

Nenhum comentário: