sexta-feira, 25 de abril de 2008

BUNDA X FACE

Caminhando noite adentro pisando dentro dos buracos e buscando uma resposta para esta desvalorização do corpo feminino que estamos vivendo hoje, sinto vergonha de olhar nesses olhares perdidos destas meninas do mundo contemporâneo.

O corpo da mulher é tão lindo, tão bem arquitetado pela natureza, e esconder a face para ser vista através da bunda é ridículo. Por onde andam a essência feminina, a beleza de encantar com um olhar, de transmitir desejos com um sorriso nos lábios doces e sensuais que só a mulher tem...?

Muitas vezes ao passar em determinadas ruas, ou até mesmo ao relance do meu olhar, na casa de um amigo que se encontra com o seu aparelho de TV ligado nestes programas ridículos dos finais de semanas, não consigo acreditar como que a mulher pode bater palmas enquanto uma outra mulher canta “só as cachorras... sou isso, sou aquilo...”.

Começo a desconfiar de que muitas mulheres estão se descivilizando com a moderna vida em que a sociedade está vivendo. (o homem também), mas no momento quero falar da mulher, pois admiro muito o seu corpo como pura obra de arte e a sua essência doce e carinhosa como particularidades delas.

Têm dias que me sinto perdido, quase não dá mais para levar um assunto com início, meio... Assuntos interessantes, brincadeiras agradáveis... Difícil é ouvir “por mano, tá muito louco o baguio – (bagulho) ... se tu quisé saí a noite tem umas quebrada da hora...”. E algumas outras “Nossa! hoje vou ao shopping comprar uns tênis de marcas, um celular do último lançamento e depois comer o n° 01 no Mec Donalds...”.

Respeito todas estas diferenças, afinal é de diferença que vivemos e nos enriquecemos culturalmente a cada momento que se passa, mas me refiro ao Eu humano que está perdendo o valor para ser visto pelas marcas de produtos ou pela inocência roubada com a falta de educação e valorização da cultura de cada um.

Mas ressalvo este texto e digo abertamente que tem tantas mulheres que nos satisfaz com o seu falar, não me refiro a língua culta/padrão, refiro-me ao conteúdo mental delas. A mulher pode ser difícil para se entender, mas é tão prazeroso a busca desta descoberta encoberta no silencio das águas de um rio.
Por: Adenildo Lima

Nenhum comentário: